Galo da Madrugada atrai milhares de foliões no Recife

Homenageando fundador, maior bloco do mundo deve reunir 1,5 milhão de pessoas nas ruas e avenidas

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

21 Fevereiro 2009 | 11h18

O Galo da Madrugada já está nas ruas do Recife. Saiu às nove horas deste sábado, 21, com queima de fogos e homenageando o seu fundador, Enéas Freire, que morreu ano passado, aos 86 anos. Uma foto de quatro metros quadrados de Enéas ilustrava a parte de trás do carro abre-alas. Além de ser considerado o maior do bloco de rua do mundo, por reunir cerca de 1,5 milhão de pessoas que tomam conta de ruas e avenidas do centro da cidade, o Galo é também patrimônio cultural e imaterial de Pernambuco. O projeto de lei da Assembléia Legislativa foi sancionado pelo governador Eduardo Campos nesta semana.   O governador, que tomou café da manhã na sede do Galo, às sete horas e depois fez o percurso até o Palácio do Campo das Princesas, foi cumprimentando os foliões e supervisionando o esquema de segurança montado, que inclui quatro mil homens das polícias civil, militar, bombeiros e Batalhão de Choque.    Veja também: Caetano Veloso e maracatus abrem carnaval do Recife Polícia investiga golpes na venda de abadás em Salvador   Blog: dicas para quem quer curtir e para quem quer fugir da folia Cobertura completa do Carnaval 2009   Quando fundou a agremiação, em 1976, Enéas tinha o objetivo de revigorar o carnaval de rua da cidade. A brincadeira caiu no gosto dos foliões e desde então só fez crescer. Neste sábado, 23 trios elétricos transportarão orquestras de frevos, cantores e bandas, a exemplo de Elba Ramalho, Alceu Valença e Asas da América, encarregados de animar a multidão, numa festa que só deve terminar depois das 17 horas.   Muita gente prefere curtir o Galo em camarotes instalados no percurso - ruas Imperial, da Concórdia e do Sol e avenidas Guararapes e Dantas Barreto. Outros acompanham em barcos pelo Rio Capibaribe. A maioria segue no chão.   O esquema de segurança instalado para proteger a folia inclui 30 câmeras, detectores de metais e 536 policiais civis, do Corpo de Bombeiros e policiais militares do Batalhão de Choque, além dos seguranças contratados pela agremiação.   Pelo segundo ano consecutivo, o desfile do Galo conta com o Juizado do Folião, que reúne juízes, promotores e defensores públicos com o objetivo de julgar, de imediato, crimes de menor potencial ofensivo, como brigas, agressões, provocação de tumulto, dano ao patrimônio público e atos obscenos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.