Galeria abre mostra especial para cães

Há casinhas sensoriais, com ração dentro, e brinquedos; donos curtem fotos e grafite

Filipe Vilicic, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2010 | 00h00

"Os cachorros não são mais pastores, guardas, e agora estão presentes como entes familiares", teoriza a adestradora (ou "consultora de comportamento", como ela diz) Patricia Tsapatsis, enquanto passeia pela exposição práCachorro. Talvez por isso, os bichanos têm sido tratados como um filho. Há roupas para eles. Joias também. E os cães acompanham seus donos em parques, shoppings e restaurantes. Seguindo a onda, agora dá até para curtir uma mostra de arte com o "melhor amigo".

Quem for na práCachorro, na galeria Matilha Cultural, no centro, poderá ver fotos de cães de rua, grafites que retratam esses animais e quadros com reportagens sobre o bichano.

Enquanto isso, os cães se divertem com instalações artísticas feitas sob medida: casinhas sensoriais, com cheiros; um lounge com brinquedinhos e um cone com uma fralda (onde eles podem se aliviar). São servidos, ainda, biscoitinhos e rações especiais para eles.

Dá até para curtir junto com seu companheiro animal. Há um estúdio onde uma fotógrafa retrata o cãozinho e seu dono com quadros ou simulações virtuais no fundo (e fantasias para vestir seu amigão). Levar a imagem para casa, impressa, sai por R$ 10. Receber por e-mail é de graça.

Au-au. E não é que os bichos curtem essa arte para cachorros? A Boxer Margot, que acompanhou sua dona, a adestradora Karina Pongracz, em um tour pela exposição não parava de balançar o rabo no espaço.

A convite do Estado, Karina testou, ontem, a tal arte para cães com sua companheira. Também estava na visita a "consultora de comportamento" Patricia. As duas trabalham na Cão Cidadão, empresa do apresentador de TV Alexandre Rossi, o Dr. Pet.

Margot se empolgou assim que entrou no hall da exposição com sua dona. Correu para cheirar as tais casinhas sensoriais. Enfiou o focinho dentro delas e, com as patas, raspou dentro, como se procurasse algo.

E encontrou. Não só encontrou, como enfiou na boca uma ração escondida lá ? o segredo do cheiro está em deixar petiscos no fundo da casinha, justamente para atrair os visitantes-animais.

"O trabalho que fizeram aqui realmente deu o efeito esperado nos cães", diz Karina. "E as fotos da exposição mostram bem a visão do animal", comenta, sobre as imagens feitas por Paola Vianna, em viagens por Brasil, Bolívia, Peru e Chile.

"A mostra ainda instiga a socialização dos animais domésticos, que precisam circular com o dono por aí." Esse é um dos objetivos dos organizadores. "Também queremos sensibilizar o público para a adoção de animais e para a posse consciente", completa Rebeca Lerer, diretora de conteúdo da galeria Matilha Cultural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.