Furto de celular sem solução

LOJA E SHOPPING NÃO SE RESPONSABILIZAM

O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2013 | 02h03

Em 17/12 fui à Zara do Bourbon Shopping São Paulo. Dentro da loja, uma mulher esbarrou em mim e notei alguém mexendo na minha bolsa (meu celular foi levado). Na hora do "esbarrão" havia outra mulher próxima que se aproveitou da situação para furtar o aparelho. Na mesma hora chamei uma vendedora para avisar do furto e tentar deter as duas mulheres, mas ela disse que era preciso chamar o gerente e que isso levaria uma hora! Saí correndo da loja e chamei um segurança do shopping, mas já era tarde. Fui com os seguranças do shopping à Zara e, lá, a gerente sugeriu que eu voltasse mais tarde para que ela verificasse as filmagens internas. Ao retornar à loja, mal cheguei e já fui sendo colocada para fora pela gerente, que disse que o circuito interno das câmeras nada tinha registrado e que eu procurasse meus direitos.

BIBIANA DE MORAES LOBO EUSÉBIO / SÃO PAULO

A Zara não respondeu.

O Bourbon Shopping São Paulo informa que, conforme contato

realizado em 19/12, esclareceu à leitora que, como o suposto

furto ocorreu no interior da Zara, a apuração dos fatos e as

demais providências devem ser conduzidas pela loja.

A leitora reclama: A Zara não respondeu aos meus e-mails nem a esta reclamação, em mais uma demonstração de descaso. Já o shopping, inerte, não se responsabiliza sobre o caso.

O shopping e a loja fogem da responsabilidade que lhes cabe. Ora, mas quem vai ao shopping o faz por comodidade e segurança; para isso, paga mais caro.

SABESP NO LITORAL

Obra danifica asfalto

Pela segunda vez reclamo da falta de atenção da Sabesp com o patrimônio público. Em 30/11 foi publicada neste espaço minha reclamação sobre o péssimo serviço da Sabesp na rua onde moro, em Massaguaçu, Caraguatatuba. Apesar de a via ter sido asfaltada no final de novembro, já está toda esburacada, porque a concessionária instalou poços de inspeção de esgoto, com a colocação de tampas de ferro abaixo do nível da rua e sem qualquer acabamento. Essa obra está provocando o rompimento do asfalto em volta dessas tampas e a formação de buracos. Em frente de casa, há um buraco escavado que permanece aberto e, como o asfalto está sendo solapado, está se formando uma cratera a céu aberto.

ALVARO BENEDITO DE OLIVEIRA

/ CARAGUATATUBA

A Sabesp informa que executou na rua citada trabalhos para tornar acessíveis os Poços de Visita (PVs) recentemente encobertos por ocasião da pavimentação. Esta ação se fez necessária para viabilizar os serviços de manutenção na rede. Técnicos da empresa realizaram, entre 15 e 18/1, serviços de nivelamento desses poços, recuperando o dano causado na via.

O leitor comenta: Ainda não pude constatar o serviço efetuado, mas, quanto ao buraco em frente de casa, não é só questão de nivelamento, mas da recomposição total do piso.

TELEFÔNICA/VIVO

Promessas não cumpridas

Em setembro de 2012 cancelei uma linha da Telefônica/Vivo e a assinatura do Speedy. Com o cancelamento dos serviços, restou-me um valor a receber que seria acertado por meio de ordem de crédito no Banco do Brasil assim que a última conta da linha fosse emitida (data de 21/10). Fui ao banco para resgatar o crédito, após a data indicada na conta de telefone, mas o caixa informou que o valor não estava disponível. Liguei na Telefônica/Vivo e o atendente afirmou que o dinheiro seria depositado em minha conta corrente (de outro banco) em até 30 dias. No dia seguinte, outra atendente me ligou com outra informação: o crédito voltaria a estar disponível no Banco do Brasil a partir de 30/10, por até 22 dias corridos. Estive no banco nesse período, mas nada do crédito. Outra atendente entrou em contato em 30/11 dizendo que o valor estaria creditado em minha conta até 19/12. Mais uma promessa não cumprida. Após mais uma etapa de enrolação da Telefônica/Vivo, abri novo chamado na Ouvidoria e prometeram o crédito até 26/12. Novamente, nada! Em 27/12, outra atendente me ligou e garantiu que, em até 20 dias úteis, o valor a que tenho direito seria creditado em minha conta. Diante de tantas mentiras e tanta enrolação, quando receberei, de fato, o crédito?

HILTON BAPTISTA / SÃO PAULO

A Telefônica/Vivo informa que a situação foi regularizada, sem ônus financeiros para o cliente.

O leitor desmente: O depósito não foi feito nem deram prazo para eu receber o crédito. A enrolação continua e a empresa mente de forma descarada!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.