Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Furto de carro no Guarujá cresce 81,8% no verão

Cidade registrou maior aumento no índice de crimes no litoral de SP, entre janeiro e março de 2011; efetivo terá mais 1,6 mil PMs

CRISTIANE BOMFIM, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2011 | 03h04

O Guarujá é a cidade do litoral paulista que registrou o maior aumento na criminalidade no último verão. O crescimento de furtos e roubos de carros entre janeiro e março deste ano foi de 81,8% e 66,7%, respectivamente, na comparação com o mesmo período de 2010. Os homicídios aumentaram 20%.

Preocupados, comerciantes estão orientando os turistas que descem a serra a tomar mais cuidado com seus pertences. A Polícia Militar já anunciou aumento no efetivo em 1,6 mil policiais, como ocorre sempre nesta época do ano, mas alerta que descuidos dos veranistas contribuem para a ação dos bandidos.

Segundo moradores e comerciantes da cidade, por ser a praia mais extensa do Guarujá, a Enseada é onde ocorrem mais crimes. Roubos a pedestres são comuns no calçadão de 5,6 quilômetros de extensão. "Os ladrõezinhos passam de bicicleta e arrancam correntes, relógios, pegam carteiras e celulares e somem. Quando a polícia chega, é tarde", conta Luiz Gonzaga Santos, de 67 anos, dono de uma barraca de lanches na praia há 30.

O delegado Waldomiro Bueno Filho, diretor do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior 6 (Deinter 6), responsável pela Polícia Civil no litoral sul, acredita que nesse verão haverá menos crime. "Haverá reforço no policiamento."

O reforço policial em todo litoral paulista com a Operação Verão começa em 29 de dezembro e só termina em março. O patrulhamento será dividido de acordo com índices criminais, locais com concentração de pessoas e pontos turísticos.

Veículos. O coronel da PM Sérgio Del Bel Junior, do Comando de Policiamento do Interior 6 (CPI-6), responsável pelo patrulhamento no litoral sul, diz que não é possível mapear as ruas e vias mais perigosas da cidade na época de férias. Mas ele explica que roubos e furtos de veículos são praticados com mais frequência nos quarteirões mais distantes da Avenida Miguel Stéfano, que beira o mar na Praia da Enseada.

"Na maioria da vezes, localizamos os carros rapidamente, porque os bandidos estão interessados nos rádios e outros objetos, como mochilas e laptops", afirma Del Bel Júnior.

Para a PM, o principal problema no verão são as brigas. As desavenças são causadas por som alto durante a noite, a bebida a mais e uma paquera mal sucedida. "A polícia perde muito tempo atendendo esses casos. Mas não podemos fechar os olhos porque eles podem terminar em homicídio", afirma o coronel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.