Furtada em julho, tela de Portinari é devolvida a Olinda

'Enterro' foi recuperado antes de ser vendido no Rio; dois acusados pelo crime estão presos em Pernambuco

Angela Lacerda / RECIFE, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2010 | 00h00

O quadro Enterro, pintado por Candido Portinari em 1959, foi devolvido ontem pela polícia ao Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, em Olinda, de onde foi furtado no dia 14 de julho. A pintura está intacta. A única alteração feita pelos ladrões foi a raspagem, atrás da madeira, do registro do museu, que detém sua posse desde 1963.

Acusados pelo furto, Leonardo Jorge da Silva e Leonardo Bispo da Silva foram presos no Rio. A polícia recuperou ainda um quadro de Tarsila do Amaral e 23 litogravuras, também furtados.

Avaliado entre R$ 800 mil e R$ 1,5 milhão, Enterro estava exposto no primeiro andar do MAC, prédio tombado do século 17 que possui cerca de quatro mil obras, mas não tem nenhum tipo de segurança eletrônica. Passando-se por visitante, o carioca Leonardo Jorge não teve dificuldade em tirar o quadro da moldura e levá-lo para tentar vender no Rio. Ele responde a processo por tráfico de drogas e é suspeito de furtos de obras de arte da Fundação Fiocruz e da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio.

A polícia pernambucana recebeu a informação de que Leonardo Bispo, residente em Niterói, tentava comercializar a obra furtada. Ele responde a processo por homicídio. No dia 28, Leonardo Bispo foi preso na Ponte Rio-Niterói. Estava com uma obra de Tarsila e confessou ter recebido o quadro de Portinari, mas disse tê-lo devolvido a Leonardo Jorge, preso em flagrante três dias depois em um restaurante de Copacabana, zona sul do Rio, com a pintura.

Ambos estão presos no Centro de Observação e Triagem, no município metropolitano de Abreu e Lima, em Pernambuco.

Promessa. A Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, responsável pelo MAC, diz ter iniciado processo de licitação para aprimorar a segurança do museu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.