Funcionários também lamentam fim das atrações

Boas recordações certamente não faltam também aos funcionários do parque. Eletricista desde 1989 no Playcenter, Antônio Andrade, de 59 anos, recorda que, quando se apresentou no local, o trabalho era para apenas três meses. Estava lá até ontem.

O Estado de S.Paulo

30 Julho 2012 | 03h04

Emocionado, ele diz que não sabe se vai trabalhar em outro lugar - já está aposentado. "Aqui somos uma família, a gente briga, a gente brinca."

Seu colega, o mecânico de Manutenção Sinval Pereira da Silva, de 48 anos, está no parque desde 1986. Ele levava os filhos para brincar quando eram pequenos. "Estamos nos sentindo muito tristes, mas compreendemos o motivo do fim."

O supervisor de Manutenção Cesar Augusto Richetto, de 47 anos, diz que o rigor com a segurança era grande e o parque era referência no Brasil. A desmontagem dos brinquedos deve levar cerca de cinco meses. / C.V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.