Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Funcionários retiram documentos de edifício comercial ao lado de prédio que desabou 

Defesa Civil avaliará situação do imóvel; prédio permanecerá interditado sem data de reabertura

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

02 Maio 2018 | 13h04

SÃO PAULO - Um dos prédios interditados no entorno do edifício que desabou é comercial, tem 42 salas e se localiza no número 132 do Largo do Paiçandu. As telhas se quebraram com o impacto da queda e os últimos três andares do prédio foram queimados pelas chamas.

 

Quem trabalhava no local foi orientado pela Defesa Civil na manhã desta quarta-feira, 2, a retirar papéis, caixas e embalagens. Muitos trabalhadores entraram para retirar o material logo cedo.  De acordo com a Defesa Civil, o prédio permanecerá interditado sem data de reabertura. Um segundo edifício, atrás do antigo prédio da Polícia Federal que desabou, também foi interditado e o acesso está barrado.

+++ Após incêndio, prefeitura vai investigar outros 70 prédios

Síndico há 14 anos do prédio, o contador Élcio Alves Penteado, de 78 anos, explicou que nesta manhã funcionários das salas comerciais retiradam contratos, documentos e títulos a pedido da Defesa Civil, que vai avaliar a situação do imóvel.

+++ Incêndio no centro de SP altera itinerários de ônibus e bloqueia avenidas

Penteado vê com bons olhos a saída obrigatória do prédio, pois teme um desabamento. Ele apontou para a reportagem parte da parede rachada no topo do edifício. Mas, de acordo com ele, as rachaduras já estavam no local e não foram provocadas pela queda do edifício vizinho. "Agora, vão cobrir o prédio com placas de madeira. Se ruir, essa placa rachada, cai em cima das madeiras, e não das pessoas", afirmou. "A nossa apreensão é de que essa placa caísse na cabeça dos inquilinos".

+++ Igreja Luterana de São Paulo teve 90% de sua estrutura destruída com desabamento de prédio

Penteado disse que vai torcer para não chover nos próximos dias, já que, com as telhas quebradas no topo, os buracos no telhado podem molhar as salas comerciais. A expectativa dele é poder retornar ao trabalho na próxima segunda-feira, mas não há qualquer previsão oficial. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.