TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Funcionários da Sabesp marcam greve geral para dia 19

Motivo é demissão de mais de 300 funcionários neste ano, em meio à mais grave crise hídrica já enfrentada pelo Estado; sindicato marcou assembleia para o dia 18

Fabio Leite e Stefânia Akel, O Estado de S. Paulo

10 de março de 2015 | 20h46

Atualizada às 23h08

O Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de São Paulo (Sintaema) decidiu, após assembleia com funcionários da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), ocorrida nesta terça-feira, 10, convocar greve geral a partir do dia 19, por tempo indeterminado. A entidade também tentará na Justiça readmitir os 400 funcionários dispensados da companhia somente neste ano. 

“Se não pararem com as demissões e chamarem o sindicato para conversar no sentido de readmitir trabalhadores, vamos entrar em greve”, afirmou o secretário-geral do Sintaema, Antônio da Silva. Segundo ele, haverá nova assembleia no dia 18 para “ratificar e organizar a greve”.

A Sabesp afirma que “respeita a decisão da categoria”. Segundo a companhia, “as atividades essenciais serão preservadas, garantindo a prestação de serviço aos clientes”.

A companhia iniciou, na semana passada, um plano de ajustes em seu quadro de pessoal. Segundo os sindicatos que representam funcionários, 300 dispensas já haviam sido homologadas em todo o Estado, 70% na área operacional da empresa, onde atuam trabalhadores que fazem, por exemplo, reparos de vazamentos nas redes de água e esgoto.


Como o Estado informou na semana passada, a meta da companhia seria cortar mais de 600 vagas, 5% do quadro de funcionários, e reduzir a folha de pagamento em 10%, por causa da queda de receita, que pode superar R$ 1 bilhão e é provocada pela crise hídrica. 

No início de 2014, a Sabesp tinha 15 mil funcionários. Os números atualizados devem ser divulgados em balanço no fim deste mês. “Essa crise está afetando as finanças da empresa e os trabalhadores estão pagando a conta”, afirmou Silva. 

Termo de Ajustamento. O secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Benedito Braga, disse a prefeitos da região do Alto Tietê, na semana passada, que a Sabesp está em “penúria hídrica e financeira”. Sobre as demissões, afirmou ao Estado que fazem parte de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre a empresa e o Ministério Público do Estado (MPE) em 2010 - que estabelece o desligamento de funcionários já aposentados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.