Funcionários da Ceagesp voltarão a trabalhar após sofrerem ameaças

Orientadores de tráfego que trabalham no entreposto estavam afastados desde segunda-feira, 17, três dias depois de o Ceagesp ser alvo de depredações

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

25 Março 2014 | 16h11

Duzentos funcionários da empresa C3V, que opera o sistema viário da Companhia de Entreposto e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), vão voltar a trabalhar mais de uma semana depois de terem sido dispensados por sofrerem ameaças. Os orientadores de tráfego, que atuam dentro do entreposto, voltarão às atividades nesta quarta-feira, 26, segundo a C3V.

A direção da Ceagesp havia determinado o afastamento desses funcionários na segunda-feira, 17, por causa de ameaças que estavam sofrendo desde a sexta-feira, 14, quando o entreposto foi alvo de depredações.

"Com a normalização das condições de segurança, os orientadores de tráfego retornam ao trabalho, a pedido da direção da Ceagesp, que considera a atividade essencial para o bom funcionamento do entreposto e para garantir que não haja reflexos no trânsito na região da Vila Leopoldina e na zona oeste em geral", informou a empresa em nota.

Confusão. Na última sexta-feira, dia 21, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) recomendava aos motoristas que evitassem circular na região da Ceagesp em razão das filas de veículos formadas nos acessos ao entreposto.

O Sindicato dos Permissionários em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo (Sincaesp) reclamou que os comerciantes e caminhoneiros "sofreram com a falta de organização e inoperância da Companhia" e que, entre as 3h e as 13h, os funcionários da segurança que organizam o fluxo dos caminhões nas vias internas do entreposto "cruzaram os braços e não fizeram o trabalho de organização que lhes cabe".

A Ceagesp informou que eles não trabalharam por causa das ameaças.

Mais conteúdo sobre:
Ceagesp C3V

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.