Funcionário de trio elétrico é atropelado na Parada Gay de SP

Vítima sofreu fratura exposta e corre o risco de ter a perna amputada; acidente ocorreu na rua da Consolação

Danielle Chaves, da Agência Estado,

25 de maio de 2008 | 18h21

Um funcionário do trio elétrico Canibal foi atropelado durante 12ª edição da Parada do Orgulho GLBT, que acontece neste domingo, 25, na Avenida Paulista. O acidente aconteceu na rua da Consolação com a rua Maceió e a vítima sofreu fratura exposta e hemorragia.  De acordo com a Polícia Militar, o homem, de 57 anos, foi encaminhado para a Santa Casa e deve sofrer uma cirurgia complicada em uma das pernas. Ele corre o risco de ter a perna amputada.   A Santa Casa não forneceu nenhuma informação sobre o caso, mas informou que a situação do ferido era grave na perna em que foi atingido pelo caminhão do trio elétrico.   Ocorrências   Até às 18h30 desta tarde, a Polícia Militar já registrava quase 500 atendimentos médicos e 26 ocorrências policiais que aconteceram neste domingo, 25, na região da Avenida Paulista. Segundo o tenente-coronel Paulo Adriano Telhada, a maior parte dos casos médicos se refere ao excessivo consumo de bebida e as ocorrências são quase todas sobre pequenos furtos e roubos de celulares.    Entre as ocorrências policiais, uma outra que chamou a atenção aconteceu por volta das 14 horas, na esquina da Avenida Paulista com a Rua Joaquim Eugênio de Lima. Um trio elétrico com cerca de 50 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Urbano (MSTU) tentou invadir a Parada Gay e foi impedido pela Polícia Militar.   "Eles não tinham autorização para desfilar e tentaram impedir a passagem de outros trios elétricos e das pessoas que acompanhavam o evento", informou o coronel Telhada. Quatro integrantes do MSTU foram presos e dois policiais ficaram feridos na confusão.   Texto ampliado às 21h18

Tudo o que sabemos sobre:
Parada GayPaulistaacidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.