TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Fumaça de queimadas no Pantanal volta a deixar parte de São Paulo com o céu alaranjado

A expectativa é a ocorrência do fenômeno conhecido como 'chuva negra', ocasionada pelo excesso de fumaça na atmosfera

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2020 | 13h06

Queimadas e incêndios florestais no Pantanal  deixaram o céu de algumas regiões do Estadao de São Paulo, incluindo a capital, com uma cor alaranjada na manhã deste sábado, 19. De acordo com a Climatempo,  existe a possibilidade de ocorrência da chamada "chuva negra" no fim desta tarde e no domingo, 20. 

O meteorologista Marcelo Pinheiro explicou que uma corrente de vento trouxe a fumaça do Mato Grosso e de países como Bolívia e Paraguai. "A fumaça produzida pelas queimadas nessas áreas foi trazida pelo vento. Isso provocou esse aspecto alaranjado e mesmo opaco no céu da cidade desde ontem. A razão desse fenômeno é o excesso de fumaça na atmosfera", disse. "É como se o céu estivesse embaçado", completou Pinheiro. 

Além da cor no céu da capital, a qualidade do ar também foi impactada. De acordo com a Cetesb, a qualidade do ar está ruim na maior parte da cidade -  e muito ruim em regiões como zona norte, zona leste, Guarulhos e São Caetano. Cidades do interior também estão com o mesmo céu alaranjado.

Segundo a Gerente da Divisão da Qualidade do Ar da Cetesb, Maria Lúcia Guardani, os ventos fracos fizeram com que os poluentes ficassem mais tempo no ar, provocando o fenômeno do céu alaranjado. "Essa situação de fim de inverno, de calmaria em relação aos ventos e de dispersão difícil de poluentes, faz com que a qualidade do ar fique entre moderada ou ruim. Mas neste sábado, 19, foi evidente a presença de algo a mais na atmosfera. Então, é plausível imaginar que não são simplesmente as emissões de rotina. É provável que isso que estamos vendo seja resultado das queimadas", afirmou.

Chuva Negra

Com a chegada de uma frente fria e das chuvas (previstas para o fim da tarde de sábado e domingo), a qualidade do ar deve melhorar sensivelmente. "Mas como a chuva lava a atmosfera, podemos ver a repetição do fenômeno de uma chuva com tonalidade mais escurecida - justamente por conta do excesso de fumaça na atmosfera", disse Pinheiro. 

O mesmo fenômeno ocorreu em 19 de agosto de 2019 - daquela vez por conta de queimadas na Amazônia.

De acordo com a Maria Lúcia,  a chuva esperada (mesmo em condições especiais), trará uma melhora na qualidade do ar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.