Fugitivos de presídio de segurança máxima são recapturados

Dois dos três integrantes do PCC eestavam como passageiros em um carro e o outro, no porta-malas

Sandro Villar, de O Estado de S. Paulo,

09 de novembro de 2008 | 18h33

Dois dos três presos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC), que fugiram, no sábado, da P 2 de Presidente Venceslau, foram recapturados por volta das 4h30 desta madrugada, quando viajavam de carro para São Paulo. O terceiro fugitivo só foi recapturado no fim do dia. Eles estavam acompanhados por três mulheres, que os resgataram sábado à tarde.   Uma delas dirigia o Vectra preto, parado pela Polícia Rodoviária na Rodovia Raposo Tavares, em Assis. Everton Antônio e Sidinei Belino Dutra se entregaram, mas José de Arimatéia Pereira Faria Carvalho, que viajava no porta-malas, conseguiu escapar. De calção azul, sem camisa e descalço, ele saiu correndo na direção de uma mata, onde foi caçado por uma patrulha com cães e o auxílio do helicóptero Águia da PM.   O fugitivo foi preso no fim da tarde, na estrada, pilotando uma motocicleta que roubou no centro de Assis. "Ele ameaçou uma pessoa", resumiu o cabo Ivan Sérgio Alves, da Polícia Rodoviária.   Carvalho foi levado para a delegacia e, depois, encaminhado à Penitenciária de Assis, onde já estão os outros dois fugitivos. As mulheres também passaram pela delegacia. Elas são Simone Belino Dutra, Fabiana Hiroko Shimba e Márcia dos Passos de Sousa. Simone e Fabiana são irmãs de Sidinei. Elas foram ouvidas e liberadas pelo delegado Rubens Orsi de Campos Filho, que também liberou o automóvel.   "A situação do carro é legal, o Vectra está em nome de Simone", afirmou o policial. Ao falar sobre a fuga, um patrulheiro rodoviário contou que, por telefone, Sidinei disse a uma das mulheres que tinha conseguido liberdade condicional. Ela foi orientada a viajar para Presidente Venceslau para resgatá-lo junto com os outros dois fugitivos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.