Fuga de internos esvazia Fundação Casa de Caraguatatuba

Todos os 54 menores que estavam na unidade do litoral paulista fugiram na noite de quarta-feira; 23 haviam sido recuperados até a tarde desta quinta

Reginaldo Pupo, Especial para o Estado

19 Dezembro 2013 | 08h06

Atualizado às 14h13

CARAGUATATUBA - Todos os 54 internos da Fundação Casa de Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo, fugiram por volta das 23h dessa quarta-feira, 18. Os menores teriam iniciado uma rebelião e, segundo as primeiras informações da Polícia Militar, quebraram as paredes das celas. Até as 12h10 desta quinta-feira, 19, havia sido confirmada a recaptura de 23 internos.

Diversas viaturas da PM se dirigiram ao local logo após a fuga em massa na tentativa de recapturar os menores. Ninguém se feriu e não houve reféns. 

Os infratores fugiram para um imenso matagal próximo da unidade, nas imediações do bairro Poços das Antas, na zona rural do município. Durante a madrugada desta quinta, a Polícia Militar recebeu dezenas de denúncias de menores invadindo quintais de residências e de comércios nos bairros próximos à Fundação Casa, onde também funciona o Centro de Detenção Provisória (CDP) do litoral norte. A unidade de Caraguatatuba da fundação tem capacidade para 56 internos.

No início da manhã desta quinta, os fugitivos já tinham ganhado as ruas do centro da cidade (distante 10 km da Fundação Casa) e algumas praias, como a Martim de Sá. A PM contou com o auxílio de denúncias anônimas, inclusive de familiares de alguns dos menores. Em uma das denúncias, moradores relataram que dois menores estavam no quintal de uma residência de veraneio portando armas.

Durante a fuga os menores trajavam camisetas verde e azul e shorts azul escuro, uniformes da Fundação Casa. A assessoria de imprensa da instituição afirmou em nota que o Judiciário e os familiares dos adolescentes serão informados da ocorrência. Uma sindicância ouvirá todos os servidores de plantão e adolescentes recapturados, informou a fundação. O prazo para finalizar a investigação é de 90 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.