Fruto de cacto causou espuma cor de rosa no Rio Jundiaí

Na vistoria mais recentes, os agentes encontraram as cactáceas presas com milhares de frutinhas cor de rosa

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

22 Dezembro 2014 | 16h54

SOROCABA – A espuma cor de rosa que cobriu um trecho do Rio Jundiaí, em Salto, região de Sorocaba, no início deste mês, foi produzida pelos frutos de uma espécie de cacto abundante na região. A conclusão é de técnicos da Secretaria de Meio Ambiente do município que investigavam a origem do problema. A espuma cor de rosa apareceu no dia 4 e atraiu a curiosidade das pessoas.

De acordo com o secretário João de Conti Neto, a causa do mistério só foi desvendada depois de três vistorias feitas no trecho do rio. “Fizemos buscas de possíveis pontos de descarte de produtos químicos que pudessem ser a causa do problema, porém não encontramos nada”, relatou. Na vistoria mais recentes, os agentes encontraram as cactáceas presas com milhares de frutinhas cor de rosa.

“Como esta espécie tem sua dispersão de sementes por explosão dos frutos, vimos que grande parte deles foi parar no rio, liberando uma sustância viscosa que, em contato com a matéria orgânica na água, causou a formação da espuma.” Segundo ele, por ser um processo biológico, não houve prejuízo para o meio ambiente. 

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) colheu amostras da espuma e da água para análise, mas os resultados ainda não ficaram prontos.

Mais conteúdo sobre:
Rio Jundiaí Salto espuma rosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.