'FROTA TERÁ DE SER ACESSÍVEL ATÉ 2014'

Hoje, só 8,9 mil dos 15 mil ônibus são adaptados

Entrevista com

ADRIANA FERRAZ ARTUR RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2013 | 02h05

Até o fim de 2014, todos os ônibus terão de oferecer acessibilidade a deficientes físicos. A obrigatoriedade, estipulada em decreto federal, será cobrada pela secretária especial da Pessoa com Deficiência, Marianne Pinotti (PMDB). Ontem, em entrevista à TV Estadão, ela disse que São Paulo está no caminho certo, mas, por enquanto, só alcançou metade do índice. Hoje, 8,9 mil veículos dos 15 mil estão adaptados.

"Há outros problemas: as pessoas precisam chegar até o ponto de ônibus e as interligações com metrô ou trem são feitas em estações não completamente acessíveis", disse a secretária, que buscará parceria do Estado.

Para acelerar uma reforma ampla no calçamento público, a secretária defende ainda uma mudança na atual legislação que impõe multa ao contribuinte que não faz manutenção de sua calçada. Para Marianne, a autuação não deveria ser imediata, como ocorre hoje. "Dessa forma, ele poderia usar o dinheiro para arrumar a calçada", disse.

A secretária ainda planeja espalhar pela cidade novas rotas de acessibilidade. "Elas visam a atender os centros dos bairros, onde estão comércio, sistema de saúde e de educação." Em função da Copa de 2014, rotas sairão do Aeroporto de Congonhas com destino ao Vale do Anhangabaú, onde será montado um telão, e ao Itaquerão, estádio que receberá a primeira partida do Mundial.

Com R$ 12 milhões de orçamento, a pasta espera ter financiamento federal. A ideia é receber uma fatia do programa Viver sem Limite, que prevê R$ 7,6 bilhões em ações afirmativas. "Vamos elaborar os projetos e buscar os recursos." / COLABOROU FELIPE TAU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.