Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Frio e coronavírus levam Campos do Jordão a fechar comércio em fim de semana

Com a pandemia, o número de turistas caiu e a cidade recebeu 33 mil pessoas no último fim de semana; casos de coronavírus subiram de 156 para 416 em um mês e as mortes aumentaram de uma para dez

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2020 | 18h49

SOROCABA – A queda na temperatura e o aumento nos casos de coronavírus levaram a prefeitura de Campos do Jordão, interior de São Paulo, a decretar o fechamento do comércio em fim de semana. A cidade é o principal destino do turismo de inverno no estado e, em épocas normais, recebe até 150 mil visitantes por fim de semana nessa estação. Com a pandemia, o número de turistas caiu e a cidade recebeu 33 mil pessoas no último fim de semana. Os casos de coronavírus subiram de 156 para 416 em um mês e as mortes aumentaram de uma para dez.

A prefeitura vê relação entre o aumento de casos e a volta dos turistas após a flexibilização no comércio e na rede hoteleira. O decreto prevê que, a partir desta sexta-feira, 31, o comércio não essencial, imobiliárias, escritórios, shoppings e galerias irão abrir somente de segunda a quinta-feira, das 10 às 16 horas. O horário de funcionamento foi ampliado em duas horas, mas tudo fecha a partir da tarde de quinta até a manhã de segunda. Apenas os sistemas de delivery e drive-thru em restaurantes podem operar para atender quem estiver em hotéis - que operam com 50% da capacidade - e os moradores, que podem pedir comida para consumo em casa. A medida vigora até nova deliberação.

Conforme o prefeito Fred Guidoni (PSDB), a preocupação é com a alta taxa de ocupação de leitos hospitalares. Nesta sexta-feira, 21 pacientes estavam hospitalizados, sendo oito em UTI, maior número desde o início da pandemia. “O que podíamos fazer em nível municipal está sendo feito, do ponto de vista tributário, da atenção básica e de saúde, incluindo a instalação de UTI em parceira com o governo estadual. Nos últimos dias, infelizmente, a cidade vem registrando em média 10 novos casos de covid-19 e, nesta semana, foram quatro óbitos.”

A medida, segundo ele, foi tomada em consenso, durante reunião com representantes do Sindicato dos Hotéis e Restaurantes, e da Associação Comercial. Guidoni lembrou que o município aprovou um plano de marketing para fomentar o turismo na serra, criando uma nova temporada nos últimos meses do ano, início do verão. No ano que vem, o governo estadual planeja dois festivais de arte na cidade. “Mas, todo esse esforço não tem nenhum sentido se não controlarmos a pandemia agora”, disse.

A cidade está na fase laranja do Plano São Paulo de reabertura das atividades econômicas, a segunda mais restritiva. Os moradores se acostumaram com os carros de som na rua, alertando para a necessidade de ficar em casa e sobre o uso obrigatório de máscara. Em todos os relógios digitais espalhados pela cidade para registrar as baixas temperaturas, podem ser vistas mensagens alusivas à pandemia. O coronavírus levou ao adiamento do principal evento turístico da cidade, o Festival de Inverno, em sua 51a edição. Os 110 concertos estão programados para o período de 2 a 31 de janeiro de 2021.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.