Frio bate recorde em São Paulo e causa ressaca nas praias do Rio

Mínima foi de 9ºC em Congonhas. Ondas tomaram calçadões do Rio e Santa Catarina teve temperatura negativa

Marcela Gonsalves e Tiago Rogero, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2011 | 00h00

O fim de semana foi marcado pela madrugada mais fria do ano em São Paulo, com 9,6º C, e uma ressaca que invadiu calçadões e ruas da orla do Rio de Janeiro, nas zonas sul e oeste da cidade.

O recorde de frio na capital paulista foi registrado de sábado para domingo. Os termômetros do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) marcaram 9,6ºC às 6h de ontem no Campo de Marte, zona norte paulistana.

A madrugada desta segunda-feira teria novo recorde de frio. O Inmet aponta para hoje tempo bom e temperatura em ligeiro declínio, com mínima de 8ºC e máxima de 20ºC na capital.

Segundo meteorologistas do Centro de Gerenciamento de Emergências de São Paulo, uma massa de ar polar que avança pelo centro-sul do Brasil e a ausência da cobertura de nuvens deixam as madrugadas geladas.

As cidades serranas de Santa Catarina registraram temperaturas negativas na madrugada de domingo - até -3,5ºC em Urupema (SC). As baixas temperaturas no Sul e Sudeste permanecem pelo menos até amanhã.

Ondas. No Rio, o efeito da frente fria foi a formação de ondas de até 4,5 metros de altura. Na manhã de ontem, a ressaca fez com que a água do mar invadisse vias das zonas sul e oeste.

Em Niterói, na região metropolitana, a força das ondas destruiu parte do calçadão da Praia das Flechas, entre os bairros Ingá e Icaraí, zona sul da cidade.

Segundo o Centro de Operações da prefeitura do Rio, só no Leblon, zona sul, cerca de 30 garis e dois tratores trabalharam na retirada da areia que invadiu a Avenida Delfim Moreira. Na Barra da Tijuca, zona oeste, a água cobriu parte da ciclovia.

O inspetor de qualidade Phillipe Andrews Santos, de 24 anos, saiu de São Paulo com amigos para o fim de semana no Rio. Como não conseguiu ir à praia no sábado, foi ao Leblon ontem na expectativa de aproveitar o mar. "Não deu para pegar praia, vou pegar a Dutra", brincou, referindo-se à Via Dutra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.