Frentista é assassinado em tentativa de assalto no ABC paulista

Ele tentou fugir quando os ladrões anunciaram assalto, foi segurado por um dos assaltantes e baleado na cabeça

Daniela do Canto, Central de Notícias

21 de julho de 2009 | 05h25

O frentista Izael Martins de Souza, de 56 anos, foi assassinado durante uma tentativa de assalto a uma lanchonete em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, na noite desta segunda-feira, 20. A vítima tentou fugir quando dois bandidos anunciaram o assalto, mas foi agarrada por um deles e baleada enquanto tentava se desvencilhar. Os dois assaltantes fugiram. As câmeras do circuito interno de segurança da lanchonete filmaram a ação dos criminosos e devem apoiar a polícia nas investigações.

 

Souza deixou o posto de gasolina onde trabalha às 21 horas e foi até a Lanchonete Fortaleza, logo em frente, na Avenida do Taboão, Jardim Borborema, onde pediu um refrigerante. Logo depois, dois criminosos entraram no estabelecimento e anunciaram o assalto. Naquele instante, cinco clientes e o gerente estavam no local. Um dos bandidos rendeu os clientes e o outro, o gerente.

 

De acordo com a Polícia Militar, o frentista, assustado, tentou fugir, mas foi segurado por um dos assaltantes. Enquanto Souza tentava se desvencilhar, foi baleado na cabeça pelo outro criminoso. A dupla fugiu a pé sem levar nada e a vítima morreu no local.

 

Segundo o capitão Vlamir Machado, do 6º Batalhão da PM, há sinais de luta dentro da lanchonete. Ele explicou que o bandido que agarrou o frentista deixou cair no chão o tambor do seu revólver. O capitão acredita que as imagens do circuito interno de segurança ajudarão a polícia a identificar os criminosos. "A câmera está bem posicionada, logo na entrada", justificou. As imagens foram apreendidas e encaminhadas ao 2º Distrito Policial da cidade, onde o caso foi registrado.

 

Os bandidos abandonaram na Rua Helvétia, a poucos metros do local do crime, uma Volkswagen Parati vermelha, sem gasolina. Conforme a PM, o motivo do assalto era justamente conseguir dinheiro para colocar combustível no veículo. Pouco antes do crime, a dupla de bandidos teria abordado um guarda noturno das proximidades e pedido dinheiro para abastecer o carro. Diante da recusa, os criminosos avisaram o vigia que fariam um assalto.

 

Minutos depois do assassinato, uma mulher que se identificou como mãe do dono do carro abandonado foi até o local do crime e levou um documento do filho. A Polícia Civil agora vai averiguar se ele tem participação no crime. Até o final da madrugada de terça-feira, 21, ninguém foi preso.

 

Tranquilo

 

Os familiares do frentista não acreditam que ele tenha reagido ao assalto. "A princípio não acredito que ele tenha reagido. Ele é muito tranquilo", disse o impressor de off-set José Gilberto Barbosa, de 35 anos, cunhado da vítima. "Não acho que ele reagiu, ele deve ter só tentado fugir", reforçou a manicure Maria Rosineide da Silva, de 32 anos, cunhada da vítima.

 

Souza deixou a esposa e uma filha de 20 anos. Ele era aposentado, mas trabalhava como frentista para pagar o curso universitário de Odontologia da filha. "Ele era uma pessoa maravilhosa, muito feliz. Para ele não tinha tempo ruim", contou a cunhada, emocionada. Ela revelou ter morado com a irmã e o frentista dos 9 aos 13 anos de idade. "Meus pais se separaram quando eu era pequenininha e foi ele (a vítima) que cuidou de mim".

 

Ainda conforme a cunhada, a mulher do frentista ficou muito nervosa ao saber da morte do marido. "Ela teve de tomar um calmante", contou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.