Frente fria faz temperatura despencar em São Paulo

Chuva que atingiu a cidade nos últimos dias faz aumentar a procura por albergues na cidade

Pedro Henrique França, Agência Estado

25 de julho de 2007 | 19h29

Até a noite desta quarta-feira, as chuvas devem parar, segundo a Somar Meteorologia. Duas massas de ar polar devem chegar na região Sudeste fazendo com que as temperaturas despenquem, não só no Estado de São Paulo, como também do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte. A primeira massa de ar polar está prevista para chegar nesta quinta-feira e a outra no domingo. Com isso, os paulistas devem se preparar para temperaturas mínimas em torno de 6ºC a 9ºC. No Rio e em Minas Gerais elas ficam um pouco mais elevadas, com mínimas entre 13ºC a 14ºC.  Os últimos dias não têm sido fáceis para os paulistanos. Com chuvas constantes, os pontos de alagamentos proliferam e o trânsito fica bastante ruim. Movimento anormal no mês, com índices baixos de chuva, julho de 2007 já é o mais chuvoso dos últimos 13 anos, segundo informações da Somar Meteorologia.  Até a manhã desta quarta-feira (25), a cidade de São Paulo já acumulou 126 milímetros, quando a média pluviométrica é de 44 milímetros. Ou seja, o que acumulou em oito dias chuvosos, verificados neste mês, é quase três vezes superior a média. Somente na manhã desta quarta-feira, quando acumulou 31,8 milímetros, foram registrados 20 pontos de alagamento e a Capital ficou em estado de atenção pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da prefeitura. As chuvas atingiram também outros municípios do Estado de São Paulo e provocou estragos, como em Taiúva, na região de Barretos, onde a chuva e o granizo destelhou casas, provocou queda de árvores e o corte da energia elétrica. O gelo acumulado em algumas vias públicas formou uma camada de aproximadamente 20 centímetros. Moradores de rua O frio e chuva que atingiram a cidade de São Paulo nos últimos dias provocaram aumento na procura de albergues pelos moradores de rua. Deflagrada excepcionalmente em 25 de maio, em razão das baixas temperaturas, a Operação Frentes Frias, da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMADS), já bateu recorde de encaminhamentos, totalizando 23.176 atendimentos até o último dia 23 de julho.  A curva ascendente é uma freqüente desde o início da Operação Frentes Frias, em 2005. Os números atuais são relativos a 61 dias de operação, que se estenderá até o próximo dia 31 de outubro. Se comparados aos de 2006, já representam quase a totalidade dos atendimentos realizados durante todo o ano passado, quando houve 25.640 atendimentos. Esse total significava 334% de aumento em comparação aos dados de 2005, que somaram 7.673 atendimentos em 107 dias de duração.  A rede de proteção social para adultos é composta, entre outros núcleos, por 35 albergues. Sete deles são destinados a idosos, pessoas em convalescença médica, portadores de deficiência e mulheres com ou sem crianças. Para crianças e adolescentes, há 14 Centros de Referência da Criança e do Adolescente (Creca), quatro casas de acolhida, 50 abrigos e 401 Núcleos Sócio-Educativos.

Mais conteúdo sobre:
frente friatemperaturaclima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.