Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Frente de ar quente eleva temperatura em SP a partir desta segunda-feira

Capital paulista pode bater recorde de calor até quarta-feira; frio e chuva chegam com a proximidade do fim de semana

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2021 | 10h36

SÃO PAULO — A capital paulista terá uma das tardes mais quentes do ano nesta segunda-feira, 13, com máxima prevista em torno dos 34 ºC. O calor tende a ficar mais intenso na terça-feira, com previsão de máxima de 35 ºC e possibilidade de um novo recorde de calor do ano. A partir de quarta-feira, porém, a temperatura deve cair e pode chover em todas as áreas do Estado, segundo o Climatempo

A razão para a volta do calor é uma frente de ar quente e seco que ganhou força sobre São Paulo e o Rio De Janeiro no último fim de semana. A previsão é que a umidade relativa do ar fique abaixo dos 30% na maior parte do Estado de São Paulo, inclusive na capital, e abaixo de 20% em cidades do interior. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a umidade ideal para a saúde dos seres humanos é acima de 50%. Desse modo, convém ingerir líquidos, umidificar os ambientes e evitar exercícios físicos ao ar livre entre as 11h e as 16h.

Na terça-feira, algumas pancadas de chuva já começam a se espalhar sobre o centro-sul e o leste de São Paulo, mas o sol ainda aparece e faz calor. Já na quarta-feira, o tempo muda de forma significativa, o céu fica nublado e chove em praticamente todas as áreas do Estado. Conforme o fim de semana se aproxime, o tempo na capital deve ficar mais úmido e frio.

No Rio de Janeiro, as nuvens também chegam na quarta-feira, levando chuva ao centro-sul do Estado e à capital. Mesmo assim, ainda fica quente, dado que a queda mais acentuada de temperatura vai acontecer no fim da semana. A quinta e a sexta-feira terão muitas nuvens e tempo instável. 

Na terça-feira, pode ventar com rajadas entre 40 km/h e 50 km/h na capital e o litoral de São Paulo, e de até 65 km/h no oeste do Estado.  No Rio, a velocidade do vento chega a até 60 km/h entre o litoral norte e a Região dos Lagos, também na terça-feira. As rajadas se devem ao aprofundamento de um sistema de baixa pressão atmosférica no Sul do País, levando ventos quentes do Nordeste para o Sudeste do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.