SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Freira é morta a facadas em centro de reabilitação visitado por Bento XVI

Abrigo em Guaratinguetá foi invadido por homem descalço e encapuzado que pedia dinheiro; suspeito foi preso, mas nega

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

24 Julho 2015 | 17h04

SOROCABA - A freira Odete Franciscana, de 65 anos, foi morta a facadas na madrugada desta sexta-feira, 24, na Fazenda da Esperança, um centro de reabilitação para dependentes químicos, em Guaratinguetá, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo. O abrigo em que a religiosa dormia na companhia de uma colega foi invadido por um homem descalço e encapuzado que pedia dinheiro. Um suspeito foi preso, mas nega o crime. A Fazenda Esperança ficou famosa após ter sido visitada em 2007 pelo então papa Bento XVI, hoje papa emérito.

A Polícia Civil investiga o caso como sendo latrocínio. O homem invadiu o local por volta das 5h30 e ameaçou as freiras com uma faca. Ele queria que as religiosas lhe entregassem dinheiro. De acordo com a sobrevivente, irmã Odete teria tentado ligar para a polícia e foi golpeada oito vezes nas costas. Em seguida, o agressor fugiu. Ela foi socorrida, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos.

A direção da unidade informou que o crime foi praticado por pessoa estranha à instituição e que a freira realizava há seis anos um trabalho de catequese com jovens internos. O suspeito foi preso num bairro próximo da fazenda, dentro de uma casa, mas a polícia não informou se ele já tinha envolvimento com outros crimes.

A Fazenda da Esperança é considerado um dos mais amplos projetos de reabilitação de dependentes químicos do mundo. Em maio de 2007, quando viajou ao Brasil para a abertura da V Conferência do Episcopado Latino Americano e Caribenho, o papa Bento XVI visitou a unidade e foi ao encontro dos jovens, recomendando: "Vocês devem ser os embaixadores da Esperança." Bento XVI renunciou ao papado em fevereiro de 2013, sendo declarado papa emérito.

Mais conteúdo sobre:
Guaratinguetá

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.