Freira brasileira que atuou no Amazonas pode virar santa

Uma freira brasileira que cuidou dos pobres e doentes na Amazônia poderá virar santa. O papa Francisco assinou, no dia 27 de janeiro, o reconhecimento das virtudes heroicas de irmã Serafina, da Congregação das Adoradoras do Sangue de Cristo, que já pode ser chamada de venerável, título que dá sinal verde à continuação do processo de beatificação e canonização. Falta agora a aprovação de um milagre, exigência da Congregação para as Causas dos Santos, para ela ser proclamada beata. Irmã Serafina morreu em 1988, com 75 anos, de leucemia.

JOSÉ MARIA MAYRINK, O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2014 | 02h06

"A aprovação de um milagre é o mais difícil, porque temos muitos relatos de graças alcançadas, mas sem as informações necessárias que possam levar à constatação de que são milagres", disse irmã Marília Menezes, vice-postuladora da causa de irmã Serafina, em Belém. É difícil também conseguir o testemunho de médicos que trataram dos beneficiários de supostos milagres. "Os médicos sempre dizem terem receitado medicamentos que eventualmente teriam levado à cura, anulando a hipótese de milagre", acrescentou irmã Marília.

Noemi Cinque, nome de batismo de irmã Serafina, entrou para o convento aos 33 anos, contrariando a vontade de seus pais. Em 1971, Serafina foi enviada para Altamira, no Pará. A freira acolhia em casa as gestantes e os doentes, quando o hospital da cidade não dava conta de interná-los. "Irmã Serafina atendeu também a população ribeirinha dos rios da Amazônia, onde era e continua sendo grande a incidência de leishmaniose, malária, anemia e hanseníase", disse irmã Marília.

Irmã Serafina atendia todos, mas ficou conhecida como Anjo da Transamazônica, porque o maior número de doentes se concentrava nas margens da estrada em construção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.