Divulgação
Divulgação

Freguesia luta por museu próprio

Iniciativa encabeçada pela Casa de Cultura Salvador Ligabue busca preservar patrimônio de um dos bairros mais antigos da capital

Luiz Felipe Barbiéri, O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2015 | 17h06

Um bairro sem memória não tem história. As palavras são de Rodrigo Carvalho, coordenador da Casa de Cultura Salvador Ligabue e um dos editores do site Portal do Ó. Ele lidera junto à comunidade um projeto que busca a construção de um museu próprio para a Freguesia. Uma casa que abrigue parte do acervo referente aos 435 anos do bairro.

"As pessoas vão morrendo e a história não pode se perder. A Freguesia é um dos bairros mais antigos de São Paulo, por isso surgiu a necessidade do museu", explica Carvalho.

Hoje, esse patrimônio está preservado nas salas da Casa de Cultura Salvador Ligabue. Mas não há espaço para todo o material iconográfico e documental sobre a região. Moradores de famílias tradicionais da Freguesia também guardam parte desses documentos em casa e concordam em doar seus acervos particulares caso o projeto se concretize.

A iniciativa tem aval do prefeito Fernando Haddad e até local para as instalações: um prédio da junta militar, ao lado da Casa de Cultura, pertencente à subprefeitura Freguesia/Brasilândia. De acordo com Carvalho, o edifício é subutilizado. Apenas uma sala dos mais de duzentos metros quadrados é aproveitada. "Além disso, é a Secretaria de Cultura que paga as despesas, como contas de água e luz", afirma.

A ideia tem apoio da Paróquia Nossa Senhora do Ó, de comerciantes e moradores do bairro. Ainda não há previsão para a inauguração do museu.

Ligabue. Salvador Ligabue tem uma forte ligação com o bairro. Foi um artista plástico nascido na cidade de Itatiba, interior de São Paulo, em 1905. Seu primeiro contato com a Freguesia aconteceu por intermédio de seu irmão, que estudava no Seminário Provincial de São Paulo. 

O artista se destacava por suas pinturas sacras e foi convidado para fazer alguns trabalhos na Paróquia Nossa Senhora do Ó. Lá, ele pintou a Imaculada Conceição na nave central da igreja, em 1929. A partir daí, Ligabue passou a viver no bairro. Foi responsável ainda pela pintura da capela do Santíssimo Sacramento e por trabalhos no altar-mor da Paróquia. 

Paralelo aos trabalhos sacros, o artista retratava a natureza morta e cenas cotidianas, em óleo sobre tela, aquarelas e nanquim. Muitas cenas são atribuídas à Freguesia do Ó, o que mostra toda a identificação do pintor com o distrito. Ele faleceu em março de 1982 e acabou inspirando o nome do centro cultural do bairro.


Tudo o que sabemos sobre:
bairrosspfreguesia do ómuseuligabue

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.