Francesas atuariam em rede de tráfico no Brasil

Jovens estariam sendo aliciadas por quadrilha internacional com promessas de viagens para o País

Andrei Netto CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2010 | 00h00

O governo francês confirmou oficialmente ontem que 14 franceses, a maioria mulheres, estão detidos em São Paulo, suspeitos de integrarem uma rede internacional de tráfico de drogas. A última detida foi Jessica Briffault, jovem de 28 anos que está presa desde 12 de novembro na capital paulista depois de ser flagrada com uma mala com nove quilos de cocaína. Segundo familiares da jovem, ela teria sido iludida em um esquema de viagens ao Brasil recebidas como "prêmio".

A prisão de Jessica é a última de uma série de 14 realizadas nas últimas semanas. A informação foi confirmada ontem pela manhã, em Paris, pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da França, Bernard Valero. "É prematuro, no atual estágio das investigações, estabelecer um vínculo entre essas pessoas e os fatos que lhes são atribuídos."

Ontem, o Estado conversou por telefone com a família Briffault, que vive na cidade de Aubergeville, município de 11 mil habitantes a 41km de Paris. Angustiados pela prisão e pela falta de notícias, pai e irmã afirmaram estarem lutando contra a dificuldade de comunicação com as autoridades brasileiras, em razão da barreira da língua.

Conforme Priscilla, irmã da jovem, Jessica seguiu para o Brasil depois de afirmar à família ter recebido uma viagem para São Paulo, onde avaliaria hotéis. "As informações que temos é de que ela pode ter sido vítima de uma quadrilha, que ofereceu viagens gratuitas a ela e a outros. Mas não sabemos nada além disso", disse Priscilla.

Reforça a suspeita da família o fato de que a mala na qual a cocaína teria sido apreendida não seria a mesma com a qual a jovem partiu de Paris. Segundo o jornal Le Parisien, a polícia investiga a hipótese de que uma quadrilha esteja aliciando jovens com viagens para o Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.