França retira 29 corpos do local da queda do 447

Escritório responsável por investigar causa do acidente não confirma nem desmente hipóteses sobre erros dos pilotos

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / PARIS

Equipes de resgate a bordo do navio francês Ile de Sein já recuperaram 29 corpos de vítimas do voo AF-447, que caiu no Oceano Atlântico em 31 de maio de 2009. A informação foi revelada às associações de familiares no Brasil e na França pelo embaixador Philippe Vinogradoff. Com a nova etapa de resgates, iniciada em 21 de maio, 81 dos 228 corpos de passageiros e tripulantes já foram recuperados.

A operação foi retomada nesta semana, depois que exames de DNA realizados nos dois primeiros corpos retirados do mar em abril indicaram que seria possível fazer seu reconhecimento. Com isso, o Tribunal de Grande Instância de Paris determinou que uma equipe da Direção de Pesquisas Criminais da França viajasse no Ile de Sein ao local do acidente com a missão de resgatar mais vítimas.

As investigações sobre as causas da queda continuam a causar especulações. Ontem, o Wall Street Journal publicou uma reportagem afirmando que os pilotos teriam tomado decisões equivocadas ao se defrontarem com as falhas mecânicas e eletrônicas, provocadas pelos tubos de pitot, as sondas de velocidade.

A informação já havia sido publicada pela revista alemã Der Spiegel, mas na prática nenhuma reportagem traz novidades. Há pouco menos de dois anos, o Escritório de Investigações e Análises para a Aviação Civil (BEA) confirmou que os sensores de velocidade falharam durante o voo.

Por sua parte, o BEA se negou ontem, mais uma vez, a confirmar ou desmentir as informações. A entidade promete divulgar na sexta-feira um comunicado revelando as circunstâncias da queda do 447.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.