Força de Ocupação reagiu à tentativa de invasão da favela

Exército é Exército e polícia é polícia - as duas organizações não se misturam, mas podem ser complementares. A força militar não é conciliadora. A corporação da segurança pública, sim, é. A diferença é que a primeira atinge sua meta empregando qualquer medida de força. A segunda trabalha pelo menor dano possível.

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2011 | 00h00

Em novembro de 2010, quando a ação conjunta das Forças Armadas e da estrutura policial do Rio provocou a fuga de traficantes do Complexo do Alemão e a retomada da região pela autoridade pública, era esperado que as tropas fossem gradativamente retiradas. Na ocasião, um veterano da Missão de Estabilização do Haiti disse ao Estado que o desgaste de uma exposição prolongada, e dos inevitáveis confrontos, transformaria o aplauso daquele momento em crítica. A extensão da presença dos soldados em lugares como a Favela da Grota confirmou a análise.

O incidente de domingo, em que um grupo armado do Comando Leste envolvido no patrulhamento disparou balas de borracha contra moradores da rua 2, deixando 12 feridos, é emblemático. O treinamento militar implica reação de combate. Policiais teriam ignorado a provocação ou eventualmente detido suspeitos por desacato. A inteligência tinha a informação de que traficantes iriam invadir o conjunto de favelas a qualquer momento. Reação rápida. Um esquadrão de seis blindados e cerca de cem fuzileiros tratou de bloquear os acessos. Em seguida, um segundo contingente, com o mesmo número de policiais e soldados, cercou os pontos secundários usando mais seis Urutus.

Às 21 horas, sob fogo pesado, a pacificação do Alemão entrou em moratória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.