Foram muitas as emoções do rei

Com poucos minutos na avenida, Roberto Carlos parecia até incrédulo diante da reverência dos fãs

Alexandre Rodrigues, O Estado de S.Paulo

09 Março 2011 | 00h00

Confusão, correria e, claro, muitas emoções marcaram os bastidores da passagem do cantor Roberto Carlos pela Sapucaí para ser homenageado pela Beija-Flor.

Ele chegou ao sambódromo pouco depois das 23h de segunda. Tanta espera até as 6h15 do dia seguinte, quando entrou na passarela, valeu a ele apenas 18 minutos de êxtase. Neste ano, Roberto alugou quatro camarotes, onde estava acompanhado de familiares, como irmãos e filhos. Recebeu visitas ilustres, como as do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e do eterno parceiro, Erasmo Carlos.

Depois de passar três horas e meia no camarote, Roberto saiu debaixo de chuva durante o desfile da Grande Rio e seguiu em seu Mercedes até a concentração em um comboio de vans que levavam artistas como Wanderléa, Martinha e Hebe. A operação causou alvoroço ao recrutar pelo menos 100 agentes de segurança da Liga das Escolas de Samba.

O rei aguardou o momento de assumir o posto no alto do último carro da escola em um camarim dentro de um ônibus azul marinho. A aproximação da alegoria, que fazia referências à sua religiosidade, deu a Roberto a primeira emoção. Ainda longe da bateria, as vozes das crianças de Nilópolis que o acompanhariam no carro o tocaram.

Sorridente, ele embarcou no carro às 6h07 em dois minielevadores instalados especialmente para lhe poupar esforço das articulações, já que tem sofrido com dores no joelho. Quando surgiu no topo da alegoria, às 6h13, o público das arquibancadas delirou. De calça branca e camisa azul com degradês, Roberto então passou a viver a tão aguardada homenagem.

Já na Sapucaí, o rei olhava as arquibancadas encantado, um tanto incrédulo, como se não soubesse que é o artista mais popular do Brasil. Ele acenava, fazia reverências e lançava beijos.

Roberto havia decidido que não ficaria bem entoar o samba em sua homenagem. Mas acabou se permitindo cantarolar alguns trechos que não falassem diretamente sobre ele. Às 6h32 já estava na Apoteose. Escoltado por seguranças, Roberto Carlos, artista exclusivo da TV Globo, falou à emissora: "Estou me sentindo feliz e agradecido. Chorei, sorri, fiz tudo o que meu coração mandou." / COLABOROU LUCIANA NUNES LEAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.