Foragido há 1 mês, Mizael não fala em se entregar

O advogado e ex-policial militar Mizael Bispo de Souza, acusado de matar a ex-namorada e também advogada Mércia Nakashima, procurado pela Polícia desde 7 de dezembro, reafirmou em entrevista exclusiva concedida por e-mail ao Estado que não cometeu o crime, mas que, se tivesse intenção de assassiná-la, "teria feito isso muito antes", pois oportunidades não lhe faltaram. "Estive com ela em alguns dias antes do ocorrido, saindo inclusive no próprio carro dela."

Eduardo Reina, O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2011 | 00h00

"Sou inocente", afirma. "Não havia motivos para matá-la, pois eu tinha uma vida muito boa e bem resolvida." Mizael não fala em se entregar nem onde está, mas afirma que não reagirá se for pego. Para ele, policiais são induzidos a atirar caso o encontrem.

"Se eu o encontrar, chamarei uma viatura da PM para encaminhá-lo à minha delegacia. Não vou nem algemá-lo", afirmou o delegado do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa, Antonio D"Olim, sobre a hipótese de violência na captura.

Para o advogado da família Nakashima, Alexandre de Sá, Mizael tem má índole. "Ele poderia ter dito que não mataria nem mosca, mas disse que poderia ter feito antes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.