Foo Fighters é destaque do dia no Lollapalooza

Considerado o pai dos grandes festivais da atualidade, evento ocorre pela 1ª vez no Brasil; 70 mil pessoas devem lotar o Jockey

ROBERTO NASCIMENTO , O Estado de S.Paulo

07 Abril 2012 | 03h04

Setenta mil fãs de diversas tribos devem lotar o Jockey Club hoje, durante a primeira edição brasileira do Lollapalooza, pai de todos os grandes festivais da atualidade. Trata-se de mais um marco na era de grandes shows do Brasil, em que a integração do País ao circuito artístico internacional tem se desenvolvido rapidamente, trazendo aos fãs nacionais um cardápio variado (e muitas vezes salgado) de nomes da música atual.

Os ingressos para este primeiro dia estão esgotados, em grande parte por causa do show do Foo Fighters, que encerra a programação e há tempos tem sido um dos nomes mais aguardados pelos jovens brasileiros. Embora seja o destaque deste sábado, o rock and roll clássico (leia-se "dos anos 1990") da banda de Dave Grohl é apenas uma fatia na programação. Bandas de rock independente, estrelas da música eletrônica e rappers brasileiros tocam à beira da Marginal do Pinheiros entre hoje e amanhã.

Entre os destaques menos badalados que tocam hoje (na verdade, o único nome de popularidade incontestável na programação do Lollapalooza é o Foo Fighters), estão os nova-iorquinos do TV On The Radio. A banda surgiu no Brooklyn no início da década passada e virou expoente do rock independente da última década, com discos como Dear Science, que fala em belas canções - misturando rock, soul e música eletrônica - da insatisfação americana com o governo Bush e a Guerra do Iraque.

A veterana roqueira Joan Jett, figura importantíssima para a trajetória da mulher no cenário pop nos anos 1970, toca com os Blackhearts. No primeiro dia, toca também o grupo Band of Horses, que faz indie rock de refrões abrangentes. Não muito longe de onde toca o Band of Horses, o Lollapalooza recebe nomes de peso do cenário eletrônico popular internacional. O mais famoso é Calvin Harris, DJ que dominou as paradas no ano passado com o hit We Found Love, que tem participação de Rihanna. O menos conhecido Bassnectar, um dos DJs em evidência na atual cena de eletrônico adolescente conhecida como dubstep, também toca. O gênero ganha sequência amanhã, quando Skrillex, o mais famoso desta cena, sobe ao palco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.