'Foi uma questão de solidariedade pessoal', diz Freitas

Em depoimento à Polícia Federal, José Carlos Wanderley Dias de Freitas confessou ter ligado para o reitor afastado do Instituto Federal do Paraná (IFPR), Irineu Mário Colombo. Ele afirmou que não pretendia vazar a operação da PF. "Em um ato de puro impulso, liguei para Colombo com o intuito de alertá-lo sobre o fato de que a auditoria em curso no IFPR havia chegado a uma dimensão mais grave e estaria inclusive subindo para a órbita da Controladoria-Geral da União, em Brasília." Wanderley disse que queria alertar Colombo "em razão de certa solidariedade pessoal". Em nota divulgada no dia da deflagração da Operação Sinapse, 8 de agosto, o IFPR informou que, quando Colombo tomou ciência de "indicativos de irregularidades", pediu auditoria e exoneração da Diretoria de Educação a Distância. / F.M.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.