José Luis da Conceição/AE
José Luis da Conceição/AE

'Foi muita chuva', diz Kassab sobre alagamentos de ontem

Prefeito afirmou que foi realizada uma limpeza preventiva na cidade e descartou candidatura ao governo

Entrevista com

Bruno Siffredi, do estadao.com.br, e Cristiane Bonfim, do Jornal da Tarde,

05 Janeiro 2010 | 10h00

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, visitou nesta terça-feira, 5, os estúdios da Rádio Eldorado e falou sobre as chuvas que vem afetando a capital neste início de ano. Nesta segunda-feira, 4, uma chuva forte causou mais de vinte pontos de alagamento na cidade e deixou diversas regiões em estado de alerta.

 

Veja também:

link Trecho na Av. 9 de Julho deve ser liberado até o fim de semana

som Ouça a entrevista com Gilberto Kassab

 

O prefeito disse que o município sabia com antecedência que ocorreriam chuvas fortes e que foi feita uma limpeza adicional na cidade para prevenir os alagamentos, mas a intensidade das chuvas de segunda foi "excessiva". "Foi muita chuva", ressaltou.

 

Kassab afirmou que "a cidade está se preparando para as chuvas" e ressaltou que neste ano não houve alagamentos nos córregos Pirajussara e Aricanduva, pontos tradicionais de alagamento na cidade. De acordo com o prefeito, isso ocorreu por causa dos investimentos em drenagem realizados pela Prefeitura.

 

Eleições

 

Questionado sobre suas pretensões eleitorais, Kassab indicou que não será candidato ao governo de São Paulo neste ano e disse que, à diferença do governador José Serra, que em 2006 deixou a Prefeitura para concorrer ao governo do Estado, ele está no início de sua carreira política e deve concluir seu mandato.

 

Kassab disse que, na época, era vice-prefeito e que a capital paulista "pedia para o Serra sair para ser candidato a governador ou a presidente". "No meu caso, a cidade pede para eu ficar, até porque eu estou no início da minha carreira, é o meu primeiro cargo majoritário, e o Serra está coroando sua carreira, pois já foi ministro duas vezes, senador, deputado e governador", declarou.

 

Ele afirmou acreditar que a decisão do governador de São Paulo de ter renunciado ao cargo de prefeito da capital para ser candidato ao governo estadual foi correta, pois ele ganhou no primeiro turno, com uma votação "muito expressiva". "Agora, vou ficar torcendo para que o Serra se defina por sua candidatura a presidente da República", admitiu.

 

Inspeção veicular

 

Ele também falou sobre a taxa da inspeção veicular obrigatória, que a partir deste ano não será mais devolvida pela Prefeitura. O prefeito explicou que a taxa não será mais devolvida porque a inspeção passou a ser obrigatória em âmbito nacional e disse que "ainda não sabe como gastar o dinheiro", mas indicou que pode ser investido em melhorias na cidade e no metrô.

 

"Até então (2009), não existia essa obrigatoriedade. Não é justo, socialmente - já que o proprietário é obrigado a arcar com o ônus da inspeção - que o recurso público seja direcionado a algo compulsório, uma vez que pode ser direcionado ao metrô e à construção de parques", disse.

 

A obrigatoriedade em âmbito nacional, segundo Kassab, "mostra que a cidade de São Paulo é pioneira, estava correta, e o que era programa exclusivo da cidade passou a ser obrigatório no Brasil inteiro". "Eu desafio um governador ou prefeito a restituir esse valor para o proprietário", acentuou.

 

Texto ampliado às 11h45.

 

(Com informações da Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Gilberto Kassab eleição chuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.