Reprodução/TV Globo
Reprodução/TV Globo

Fogo é extinto e bombeiros resfriam tanques de indústria em Embu (SP)

Pelo menos cinco pessoas ficaram feridas, três delas em estado grave; combustível se espalhou para fora da empresa e atingiu córrego ao lado da Régis Bittencourt

Ricardo Valota e Carolina Spillari, do estadão.com.br,

29 Julho 2011 | 21h19

SÃO PAULO - Apenas uma das 23 equipes que foram acionadas para combater as chamas em um incêndio dentro da indústria química Old Flex no Parque Esplanada, em Embu das Artes, na Grande São Paulo, permanecia no local às 3h30 desta madrugada de sábado, 30, segundo os bombeiros. As chamas foram controladas e a preocupação dos bombeiros era resfriar os tanques que ficaram intactos para que novas explosões não ocorram.

 

Localizada na altura do nº 369 da Estrada São Judas, às margens da pista sentido capital da Rodovia Régis Bittencourt, no limite entre as cidades de Embu das Artes e Taboão da Serra, região sudoeste da Grande São Paulo, a indústria produz, entre outros produtos, álcool em gel. O fogo teve início na mata localizada ao lado e se alastrou, atingindo a empresa por volta das 20h15 de sexta-feira, 29. Segundo ainda os bombeiros, o incêndio só não foi pior porque o material que estava nos tanques era álcool, que se mistura com a água, facilitando o trabalho das equipes, ao contrário do que ocorreria caso os tanques armazenassem algum derivado de petróleo.

 

Dos 13 tanques, com etanol e acetona, dois explodiram, quatro pegaram fogo e sete ficaram intactos. A maioria das viaturas dos bombeiros que estiveram no local partiu da capital e de Taboão da Serra. Pelo menos cinco pessoas ficaram feridas, três delas com queimaduras graves nos membros superiores e rosto. Uma teve o rosto parcialmente desfigurado e corre o risco de ficar cega. As vítimas foram encaminhadas para o Hospital Geral de Pirajussara e pronto-socorro municipal de Taboão da Serra.

 

No momento em que o fogo chegou até a empresa, pelo menos 10 pessoas trabalhavam no setor da produção. Nas primeiras horas de combate às chamas, o Corpo de Bombeiros de São Paulo informava que o incêndio poderia levar dias para ser extinto. A temperatura acima de 1.000ºC impedia que a água chegasse até a base do fogo pois evaporava antes. Segundo a Defesa Civil de Taboão da Serra, parte dos supostos 900 mil litros de combustível que teriam vazado dos tanques atingidos pelas chamas escorreu para fora da empresa.

 

Um rastro de fogo se formou ao lado e dentro do córrego Poá, que passa ao lado da rodovia. Equipes da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) foram acionadas para averiguar os danos ao meio ambiente. Moradores de cerca de 50 casas que ficam na Estrada São Judas, próximo à fábrica, tiveram que deixar os imóveis e só retornaram depois que os bombeiros e a Defesa Civil se certificaram da não existência mais de risco para as residências.

 

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ambos os sentidos da Rodovia Régis Bittencourt foram bloqueados a partir do quilômetro 276 para a segurança dos motoristas e para que as equipes dos bombeiros pudessem trabalhar e acessar a empresa com mais facilidade. A PRF informou que às 22h30 a rodovia já havia sido liberada para o tráfego.

 

 

Texto atualizado às 3h50.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.