Fiscalização parou após campanha de pastor contra Kassab

O megatemplo do Brás já havia sido fechado pela Prefeitura no fim do ano passado. No entanto, a situação foi revertida em dois meses e agora volta a entrar no foco. A decisão da juíza Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi destaca que a análise dos documentos apresentados indica "plausibilidade às irregularidades imputadas aos agentes da Municipalidade (seja quanto à expedição de alvarás temporários em confronto com a autorização legal) e ao Contru". As dúvidas sobre "o exercício efetivo do Poder de Polícia municipal" surgem meses depois que uma série de cartazes apócrifos foram colocados no entorno do Brás.

Bastidores: Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2010 | 00h00

 

Neles, o prefeito Gilberto Kassab, apontado como um dos artífices do fechamento da Igreja Mundial, aparecia com "chifres". Durante os 53 dias em que o megatemplo do Brás ficou lacrado, entre 21 de dezembro e 13 de fevereiro, Kassab (DEM) sofreu duros ataques do bispo Valdemiro Santiago, fundador da igreja. No Canal 21, onde o bispo tem 22 horas por mês, ele desafiou o prefeito a fechar também as escolas de samba. Depois de muita pressão, a Prefeitura liberou a Igreja Mundial, contrariando um parecer do próprio prefeito, de janeiro de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.