Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Fiscalização é reforçada nas rodovias do País

Governo federal mapeou 100 trechos críticos e vai distribuir 1 milhão de bafômetros descartáveis; em SP, Dutra terá maior atenção

Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2012 | 02h02

BRASÍLIA - A partir deste sábado, 15, o governo federal vai ampliar a fiscalização nos 100 trechos de rodovias com mais acidentes no País, identificados pela Polícia Rodoviária Federal. As ações serão focadas em álcool ao volante, excesso de velocidade, ultrapassagens proibidas e motocicletas, fatores responsáveis por quase 80% dos registros. A ação se estenderá até a Quarta-Feira de Cinzas, em 13 de fevereiro.

No Estado de São Paulo, as ações estarão concentradas no entorno da Região Metropolitana de São Paulo e acontecerão em rodovias que seguem para o interior e para o litoral. O eixo da Rodovia Presidente Dutra também terá reforço na fiscalização.

Com dez quilômetros cada, os trechos críticos, somados, correspondem a 1,4% da malha federal, mas concentraram 27,6% dos acidentes e 11% das mortes registradas de janeiro a setembro. Para formar o ranking, o governo usou um critério cedido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que confere pesos para os acidentes sem vítima (1), com vítima (5) e com óbito (25). Para o cálculo, multiplica-se o número de acidentes registrados pela pontuação de cada tipo. A soma final dá o índice.

Dados do governo apontam que, nas férias de fim de ano, ocorre maior concentração de acidentes de trânsito e o álcool ao volante é o grande vilão da estatística, ao lado do excesso de velocidade. De janeiro a novembro de 2010, a média mensal foi de 557 acidentes provocados por ingestão de álcool nas rodovias federais. Em dezembro, esse índice aumentou 21,9%, com 679 acidentes registrados. Já o excesso de velocidade matou 65,7% mais em dezembro (111) do que a média mensal (67) no ano.

Por Estado, a situação mais crítica nas rodovias é a de Santa Catarina, rota de turismo intenso nesta época do ano e de trânsito pesado - de cargas e passageiros - oriundo dos países do Cone Sul. A seguir vêm Pará, Minas, São Paulo e Ceará. Por rodovia, as mais perigosas são as BRs 101 e 116, que cortam Sul, Sudeste e Nordeste, e a 316, nos trechos que cruzam o Pará.

"Vamos agir com rigor. Não podemos permitir que pessoas dirijam embriagadas. Faremos ações duras nesses cem pontos", afirmou o ministro da Justiça durante o lançamento da Operação Rodovia. A campanha de fim de ano envolve ações dos Ministérios das Cidades, Saúde, Transportes e Justiça, amparadas em três eixos: educação, conscientização e fiscalização.

Estarão envolvidas nas atividades mais de 100 mil pessoas, oriundas da PRF e de departamentos estaduais de trânsito (Detrans), Polícias Militar e Civil dos Estados, órgãos municipais e estaduais de trânsito e concessionárias de rodovias, em mais de 800 ações integradas. O Ministério das Cidades repassou aos Detrans 1 milhão de bafômetros educativos (descartáveis), que serão distribuídos à população para conscientizar os motoristas.

Na TV. A conscientização dos motoristas também será tema de duas campanhas publicitárias que serão veiculadas pelos Ministérios das Cidades e Transportes durante o Natal e o ano-novo. A intenção do governo é alertar os motoristas sobre o elevado número de mortes no trânsito que ocorre neste período em todo o País. COLABOROU CAIO DO VALLE

Tudo o que sabemos sobre:
fiscalização, estradas, natal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.