Fiscal de desfile não pode mais ser indicado por escolas

A Liga das Escolas de Samba também vai mudar os fiscais que verificam se as escolas estão cumprindo os requisitos mínimos para o desfile. Até o ano passado, os fiscais eram indicados pelas próprias agremiações.

O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2013 | 02h05

O carnaval de 2013 será fiscalizado por 12 pessoas que não têm ligação com o samba paulistano e também receberão tratamento de um ex-jurado.

Os fiscais devem verificar, por exemplo, o número de passistas de cada escola, o tamanho das alegorias, o tempo do desfile e a presença de propaganda em uniformes e fantasias. Também compete a esses profissionais anotar problemas, como a quebra de um carro alegórico.

A Liga deve aumentar de dez para 25 o número de câmeras na avenida. A filmagem, que ajudou a escolher os professores de jurados, ainda serve para avaliar pedidos de veto que escolas fazem aos avaliadores. / T.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.