Fiscais encontram trabalhadores em situação degradante no PR

Entre as 40 pessoas encontradas em uma área da Petrobrás, havia um adolescente de 16 anos

29 de agosto de 2008 | 03h28

Policiais federais e auditores do Ministério do Trabalho descobriram, nesta quinta-feira, 28, em São Mateus do Sul, no sudeste do Paraná, cerca de 40 trabalhadores em condições próximas a de escravidão, por causa da precariedade do local e da situação degradante a que são submetidas. A área tem 44 hectares e pertence à Petrobrás. Segundo a TV Globo, a empresa já foi notificada. Entre os trabalhadores, havia um adolescente de 16 anos. A Petrobrás fez um acordo com os antigos donos da propriedade rural para que eles desmatassem a área, onde será realizada a exploração de xisto. Numa jornada árdua e ao som de motosserras, os trabalhadores sem carteira assinada realizavam o corte da madeira sem o uso de luvas e botas. No final do dia, o grupo era obrigado a dormir em carroças, barracas de lona ou casebres abandonados. O Ministério do Trabalho criou um grupo especial móvel para atender a todo o estado do Paraná, o campeão neste tipo de caso. No mês passado, 228 cortadores de cana já haviam sido flagrados em situação semelhante na cidade de Porecatu, no norte paranaense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.