''Fiquei maravilhada com o curso em uma semana''

Roberta Ciasca conta que aulas eram rigorosas e iam das 8h às 20h. Já Fábio Batistella lembra das provas de até 5 horas

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2011 | 00h00

A chef Roberta Ciasca (foto) tinha 21 anos quando, em 1998, já formada em marketing, matriculou-se no curso de 9 meses da Le Cordon Bleu em Paris. Naquele ano, outros 12 brasileiros estavam matriculados. "Não estava muito decidida, mas comecei. Fiquei tão maravilhada que, em uma semana, tinha resolvido que era o que eu queria. Lembro da estafa, porque ainda fiz o curso básico de vinho, que começava às 20 horas e eu tinha aula desde as 8h", conta. É um curso rigoroso, lembra, mas com todo tipo de aluno, "desde os superinteressados até os que não estão nem aí."

Em 2006, Roberta voltou a Paris e fez uma visita à escola. Assistiu a duas aulas. "Poderia ficar lá e fazer tudo de novo. Mais velha e com mais experiência, acho que aproveitaria mais", diz a chef. Roberta ficou feliz ao saber que a filial carioca da Cordon Bleu será vizinha de seu restaurante Miam Miam, em Botafogo. A chef tem também o Oui Oui, no Humaitá, ambos na zona sul. "Os alunos podem estagiar com a gente."

Brioche. Sócio e chef do Meza Bar, no Humaitá, Fabio Batistella se formou na turma de 2002 da filial da Cordon Bleu em Londres, onde o administrador de empresas morava e trabalhava como gerente de recursos humanos da Fiat. Até hoje lembra da prova para conclusão do módulo superior de confeitaria. "Eram cinco horas de teste. Tinha de fazer brioche, sobremesa com calda, biscoito, escultura de açúcar. Planejei minuto a minuto."

Para o chef, a Cordon Bleu tem a vantagem de ensinar uma técnica que é base para várias escolas gastronômicas. "A cozinha italiana usa, a de vanguarda espanhola também. Você pode reaplicar. Aprendi a técnica e consigo transformá-la, tropicalizá-la."

Cordon Bleu, diz Fabio, "ensina cozinha, mas não entra na parte de negócio". "Como eu já tinha trabalhado em business, me ajudou. Porque lá não se aprende a projetar uma cozinha, a montar uma ficha técnica, a fazer um investimento dar retorno, por exemplo.".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.