'Fiquei impressionada com a rapidez dos ladrões. Não houve tiros'

Eulina Oliveira. Jornalista do Grupo Estado

, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2010 | 00h00

Sábado, pouco antes das 20 horas. Eu passeava despreocupada pelo Shopping Ibirapuera, quando percebi uma movimentação atípica. Eu subia de escada rolante do piso Ibirapuera, no térreo, para o piso Campo Belo, no 1.º andar, quando vi um homem no sentido contrário, descendo a toda velocidade, com um bebê no colo. Achei estranho. O que estaria acontecendo?

Quando terminei de subir a escada, vi uma aglomeração, várias lojas com as portas abaixadas e um nervosismo no ar. Logo percebi a joalheria S.Rolim, que vende relógios, com boa parte da vitrine vazia. Fui até a frente da loja e notei lá dentro funcionárias chorando, apavoradas. O local havia acabado de ser assaltado.

Fiquei impressionada com a rapidez dos ladrões. Não havia nenhum vidro quebrado. Não houve tiros. Soube depois que teriam sido cinco assaltantes, que escaparam com facilidade. Como tiveram tempo de limpar a vitrine e sair sem que fossem pegos?

Outro detalhe que me impressionou foi a ousadia de assaltarem o shopping em pleno sábado, dia de maior movimento. Além disso, o roubo foi no primeiro andar. Tiveram de fugir de escada, creio eu. A Polícia Militar chegou uns 15 minutos depois, pelas minhas contas.

Também anteontem, outra joalheria foi assaltada no Rio. Há pouco tempo, duas lojas do mesmo ramo do Shopping Cidade Jardim, em São Paulo, sofreram o mesmo tipo de ataque.

Parece que assaltar joalherias em shopping centers é a nova moda dos ladrões. Assim como foi o crime da chamada "gangue da marcha à ré" até bem pouco tempo atrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.