Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Filho de juíza morta também foi alvo de ameaças há 3 meses

Bandidos descreveram cotidiano do rapaz para Patrícia e ameaçaram matá-lo caso ela não afrouxasse as sentenças

Sergio Torres, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2011 | 00h00

Três meses antes de ser morta, a juíza Patrícia Acioli mostrou preocupação com a mudança do tipo de ameaça a que estava acostumada. Segundo relatou a funcionários de confiança da 4.ª Vara Criminal de São Gonçalo, seu filho mais velho, Mike Acioli Chagas, de 20 anos, vinha sendo seguido em Niterói, cidade onde mora, e no Rio, onde estuda.  

Veja também:

link 91 policiais eram réus em ações que seriam julgadas por Patrícia Acioli

link'Eu deixei de acreditar na Justiça', diz filho de juíza morta no Rio

link Comando reconhece participação de PMs

linkAliás: A ameaça do 'Estado leiloado'

Em um dos telefonemas anônimos que recebeu, há cerca de três meses, a juíza ouviu um homem descrever de maneira detalhada o cotidiano do rapaz, desde que deixava de manhã a casa da família, em Piratininga (bairro de Niterói), rumo à Praça da República (no centro do Rio), endereço da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O desconhecido falava para a juíza que o filho seria morto caso ela não afrouxasse as decisões e sentenças que proferia na 4.ª Vara. Para reforçar a ameaça, ele citou o nome da academia que Mike frequentava e horários em que costumava se exercitar.

Essa mudança no perfil das ameaças incomodou a juíza. Diante dos funcionários, ela sempre demonstrou firmeza em relação a telefonemas e bilhetes anônimos que recebia. Mas quando o alvo da perseguição e das ameaças passou a ser o filho ela demonstrou preocupação diante de pelo menos quatro serventuários. Reclamou que se sentia abandonada pelo Tribunal de Justiça, responsável pela retirada de sua escolta. E disse que temia pelo que pudesse acontecer não só a ela, mas a parentes.

Colegas da juíza confirmam que a segurança da família era mais importante para Patrícia que sua própria proteção.

Após o assassinato, nenhuma medida de segurança foi tomada para proteger Mike e as duas filhas de Patrícia.

O advogado da família, Técio Lins e Silva, acredita que parentes da juíza não correm mais riscos, pois o atentado tinha o objetivo de silenciá-la. "Agora é tarde para tomar qualquer precaução. De qualquer maneira, não há registro de ameaça contra os filhos de Patrícia." / COLABOROU BRUNO BOGHOSSIAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.