Filho de Haddad defende aumento da tarifa de ônibus em SP

Frederico escreveu um artigo em que fala sobre subsídios e o custo do transporte público; ele esteve ontem na aula pública do MPL

O Estado de S. Paulo

06 Janeiro 2015 | 16h49

SÃO PAULO -  O filho do prefeito Fernando Haddad, Frederico, escreveu um artigo nesta terça-feira em que defende o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo, que passou de R$ 3 para R$ 3,50. Segundo ele, "congelar a tarifa, em alguma medida, significa transferir recursos da educação, saúde, moradia e transporte para o bolso dos empregadores".

Frederico argumenta que o maior êxito das manifestações de junho de 2013 não foi a revogação do aumento de R$ 3 para R$ 3,20, mas "evitar a renovação dos contratos nos mesmos moldes aos atuais (que ocorreria em meados de 2013) e, ao mesmo tempo, inspirar a contratação da auditoria internacional pela Prefeitura para abrir as contas dos contratos de transporte de ônibus vigentes, algo inédito na história da cidade."

A auditoria mostra, para ele, um fator fundamental para fugir da "lógica binária" de como a questão vem sendo discutida: o lucro das empresas de ônibus é de 15%, e não de 30%, como se supunha.

Frederico Haddad finaliza o artigo questionando se aumentar a tarifa é bom. "Lógico que não", responde. "Mas será que no quadro concreto piorou ou melhorou? Fica a pergunta e o anseio por um debate mais profundo de uma questão de alta complexidade, que não combina com uma visão binária", diz.

O filho do prefeito esteve na segunda-feira, 5, na aula pública promovida pelo Movimento Passe Livre (MPL) no centro de São Paulo. Irritado com jornalistas que o reconheceram, Frederico foi embora antes de a aula começar e disse estar "só observando".

Em seu Facebook, ele reclamou do "uso indevido" que os meios de comunicação fizeram de sua "rápida e discreta" presença na aula pública. "Meu objetivo era apenas observar o evento e ouvir os argumentos sobre um tema pelo qual me interesso. Nada que extrapole meu direito de cidadão. Nada que indique meu apoio à pauta do movimento. Manifesto meu profundo repúdio a essa tentativa oportunista e lamentável de me jogar contra meu pai", escreveu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.