Filho de Eike Batista atropela e mata ciclista

Acidente aconteceu na Rodovia Washington Luís; segundo Polícia Rodoviária Federal, Thor Batista, de 20 anos, não estava alcoolizado

ALFREDO JUNQUEIRA / RIO , O Estado de S.Paulo

19 Março 2012 | 03h01

Filho mais velho do empresário Eike Batista e da ex-modelo Luma de Oliveira, Thor de Oliveira Fuhrken Batista, de 20 anos, virou alvo de inquérito policial da 61.ª DP (Xerém), após ser acusado de homicídio culposo por atropelar e matar o ajudante de caminhoneiro Wanderson Pereira dos Santos, de 30. O acidente aconteceu por volta das 19h20 de sábado na Rodovia Washington Luís, em Xerém, distrito de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, no Rio. A vítima estava de bicicleta e morreu na hora.

Thor, que saiu do local cinco minutos após o atropelamento para chamar a Polícia Rodoviária Federal (PRF), deve prestar depoimento na quinta-feira. Segundo a polícia, ele e o amigo que o acompanhava, Vinicius Balian Racca, de 22 anos, fizeram teste do bafômetro e não estavam alcoolizados.

Thor dirigia o Mercedes SLR McLaren Roadster (placa EIK-0063) de seu pai, avaliado em R$ 1,35 milhão, quando atingiu Wanderson no km 101 da rodovia, sentido Petrópolis. "Ele estava no acostamento. É o caminho que fazia todo dia", lamentou a tia e mãe de criação da vítima, Maria Vicentina Pereira.

Wanderson foi enterrado ontem no cemitério de Xerém. Os R$ 8 mil de despesas do funeral foram pagos por Eike - apontado pela revista Forbes como o sétimo homem mais rico do mundo, com US$ 30 bilhões.

Ontem à noite, o advogado da família da vítima, Cleber Carvalho Rumbelsperger, afirmou que apresentará à Justiça um pedido de indenização por danos morais e materiais, caso Thor não aceite um acordo. E se for comprovado que a velocidade do carro estava acima da permitida, vai exigir que o caso seja investigado como homicídio doloso (quando há intenção de matar).

Testemunhas disseram que Thor só conseguiu parar o Mercedes a 200 metros do local. A vítima atravessou o para-brisa do carro. Outro veículo de luxo com seguranças particulares chegou poucos minutos depois e levou Thor e Vinicius. "Não fizeram teste do bafômetro aqui", contou Larissa das Flores, de 20 anos, que estava no local.

A empresa EBX divulgou nota ontem (veja ao lado) e, no Twitter, Eike Batista lamentou o acidente. "A imprudência não foi do Thor. Thor estava na velocidade permitida, fez teste do bafômetro." O policial rodoviário João Miguel Ribeiro depôs e confirmou que Wanderson atravessou as pistas. Não foi divulgado pela PRF se há imagens do acidente.

Segundo nota da assessoria da PRF, logo após o acidente, Thor e Vinicius procuraram um posto policial a três quilômetros do local. Com estilhaços de vidro no rosto, Thor pediu socorro e registrou o caso. O Mercedes foi periciado na rodovia. / COLABORARAM MARIANA DURÃO e MÔNICA CIARELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.