Fiéis enfrentam fila e calor para rezar pela Padroeira

Cerca de 150 mil pessoas estiveram na Basilia Nacional, em Aparecida, nesta sexta-feira

Simone Menocchi, do Estadão,

12 de outubro de 2007 | 15h45

Sob um sol forte e enfrentando muito calor, cerca de 150 mil pessoas estiveram nesta sexta-feira, 12, no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, na festa da Padroeira do Brasil. O número parcial foi informado pela equipe de segurança da Basílica e está pouco abaixo da expectativa, de 160 mil. "Muitos primeiros vem no sábado e também no domingo. Nos três dias a expectativa é de 300 a 350 mil pessoas", justificou Dom Raymundo Damasceno Assis.   Imagens do feriado em Aparecida Veja também: Motorista enfrenta lentidão na chegada ao litoral de SP Mesmo abaixo da expectativa, o Santuário estava lotado. Logo cedo, por volta das 7 horas, havia congestionamento de veículos nos acessos à igreja. No pátio, não havia espaço e as filas eram por toda parte. Mas os romeiros não se incomodavam com a lotação. "Viajei quase dez horas e venho aqui há 28 anos, já estou acostumada com esse movimento todo", contou a aposentada Jacira Silva, de 68 anos, da cidade de Cataguazes (MG). Quatro missas foram celebradas em comemoração à Nossa Senhora. Na celebração das 8 horas, muitos fiéis tiveram de assistir à missa em pé do lado de fora. "Está bom, estou vendo pelo telão", completou Jacira. Pelo menos três mil ônibus e cinco mil carros de todas as partes do País estavam na cidade. Alguns grupos chegavam a pé, como o formado por 41 católicos de São José dos Campos que andaram por 32 horas sem dormir, parando para descansar por pouco tempo. "Chegar aqui deve ser como chegar ao céu, uma emoção muito grande", disse uma das peregrinas, Clara Eunice Freitas. A peregrinação não era somente durante a viagem até Aparecida. No Santuário, começava outra peregrinação, desde a espera para se comprar uma vela até a passagem pelo nicho de Nossa Senhora, onde está a imagem original. Desde cedo, enormes filas se formavam para ver a santa de perto e tirar uma foto. "Tem de tirar, mesmo que seja do celular, e levar de lembrança", disse Carla Fernandes, 27 anos, administradora de empresas em São Caetano do Sul. De frente para a santa, além das fotos, muitas orações e emoção. "Choro muito e de emoção por estar aqui", afirmou a dona-de-casa Lourdes Franco, da cidade de Salto, interior paulista. Na Sala das Velas, milhares de fiéis ficavam compenetrados em seus pedidos e agradecimentos. A maioria dos pedidos e agradecimentos está relacionada à saúde, mas para o estudante Evaldo da Silva, de 9 anos, o agradecimento era diferente. Junto com pai e o irmão o garoto acendia uma vela à Nossa Senhora por ter ganhado um videogame. "Vim agradecer à santa por ter atendido meu pedido", contou ingenuamente Evaldo, no dia também dedicado às crianças. Próximo à sala das velas, na passarela, outro agradecimento, de joelhos. O casal de namorados Patrícia Lencione, 22, e Diego Nardotti, 23, percorreram ajoelhados os 400 metros da passarela, debaixo de um sol forte e com muito sacrifício. "Estão agradecendo por ela ter passado no vestibular de odontologia na USP", contou a mãe de Karina, Aparecida Lencione.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.