Festa suspeita

Todos os finais de semana, na Rua Dornas Filho, no Jabaquara, há uma verdadeira rave patrocinada por traficantes. Essa festa tem início por volta das 22 horas de sábado e termina às 7 horas do domingo. Eles fecham a rua, põem som altíssimo com DJ aos berros, consomem drogas, vendem bebidas a menores de idade, fazem racha de carros e motos. Trata-se de um verdadeiro caos. Os moradores do bairro já fizeram centenas de reclamações ao 190 da Polícia Militar, mas absolutamente nada foi feito. Numa das minhas ligações, solicitei o número de protocolo e o policial disse que não havia. Falei então que entraria em contato com a Corregedoria para acompanhar o caso e ele pediu novamente os dados e as informações da reclamação. Será que ele registrou a ocorrência? O pior é que quando se disca ao 190 e diz que se trata de barulho, você é encaminhado para outro departamento. Provavelmente de "crimes menores", sem que você possa nem sequer expor a gravidade do ocorrido. Um absurdo o descaso e a omissão da polícia. O mais incrível é que os marginais anunciam em alto e bom som um: "Até a semana que vem", pois contam com a falta de policiamento no local.

, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2010 | 00h00

GUILHERME CARLINI / SÃO PAULO

Em relação à reclamação do sr. Carlini, a Assessoria de Imprensa da Polícia Militar esclarece que ela foi encaminhada para a 1ª Companhia do 3º Batalhão, área que pertence à Rua Dornas Filho, para que sejam tomadas as medidas preventivas mais adequadas, com intensificação do policiamento na região do fato relatado. Cabe ressaltar que foi solicitada a recuperação da gravação em que o reclamante liga ao Copom - 190, para apurar se houve falhas.

POSTO DE GASOLINA

Desrespeito à lei

O Auto Posto Jaceguai, localizado na esquina da Praça Pérola Byington com a Rua Santo Amaro, na Bela Vista, tem uma guia rebaixada e a entrada para o reabastecimento é pela rua da praça. Porém, de uns dias para cá, em alguns horários, quando entramos no posto por essa via, o gerente do posto e seus funcionários, aos gritos, dizem que não vão reabastecer os carros daqueles que entraram por essa rua - obrigando os fregueses a transitar pela calçada e pela contramão da Rua Santo Amaro. Esse procedimento, além de absurdo, é ilegal e perigoso. No dia 7/4, não concordei em dar a volta e disseram que não iriam abastecer o meu carro. Telefonei para a polícia. Com a chegada dos guardas, o gerente acabou abastecendo o meu carro, mas disse para eu nunca mais voltar lá. Meu problema foi resolvido momentaneamente, porém a bagunça e as transgressões no local permanecem.

FERNANDO ARANHA FRÓES

/ SÃO PAULO

Adele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, informa que o cruzamento entre as Ruas Santo Amaro e Jaceguai foi vistoriado e se constatou que veículos transitavam irregularmente pela calçada para acessar o posto de abastecimento. Esses automóveis foram devidamente autuados e o local foi incluído nas fiscalizações periódicas das equipes operacionais, com o objetivo de coibir abusos. Acrescenta que os munícipes podem telefonar para o Fale com a CET, pelo 1188. O serviço atende 24 horas por dia e o cidadão pode solicitar fiscalizações de trânsito, informações, ocorrências, remoções e sugestões.

O leitor comenta: Creio que o maior responsável pelas irregularidades é o posto de gasolina, pois o gerente e os funcionários se negam a abastecer os automóveis daqueles que entram pela mão correta. Por isso os clientes são obrigados a infringir a lei. Ou seja, os responsáveis pelo posto estão fazendo apologia ao desrespeito às leis de trânsito. Muitas vezes os veículos que estão no local já estão sem combustível suficiente para ir a um outro posto e os motoristas são obrigados a ceder a essa irregularidade. Coibamos o erro principal, que é do posto e não das vítimas, que são os clientes.

DESCASO

Conta detalhada

Há exatos 314 dias, reclamo à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para que a operadora Embratel discrimine, na conta telefônica, minhas ligações locais de fixo para fixo. Mas, até agora, essa empresa se recusa a cumprir o que é de meu direito. Após quase um ano, por que a Anatel ainda não tomou nenhuma providência contra a operadora? Uma das missões da Anatel não é reprimir as infrações contra o direito dos usuários? Não sei mais o que fazer. A indignação e a revolta são meus únicos sentimentos. Será que tenho de recorrer à Justiça?

ROGÉRIO AGUIAR / CAMPOS (RJ)

O Atendimento Livre informa que o cliente receberá o detalhamento das ligações na próxima conta.

A Anatel não respondeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.