Festa na Paulista terá grafite digital

Montagem do equipamento, ontem, atrasou; shows começam às 20h e vão até as 2h30

Edison Veiga e Suzane G. Frutuoso, O Estado de S.Paulo

31 Dezembro 2010 | 00h00

A tradicional festa de réveillon na Avenida Paulista terá um grafite hi-tech como atração hoje à noite. Importada da Holanda, a "parede digital" possibilita que um artista crie imagens virtuais com um spray acionado por sensores, como um controle de videogame sem fio, que não solta tinta. Trata-se de uma atração internacional para um evento paulistano que atrai cada vez mais turistas.

Veja também:

video Câmera que vai transmitir festa já está no ar

link Réveillon da Guarapiranga vira polêmica

linkViagem ao litoral deve demorar 2 horas a mais

blog SP começará ano de 2011 sem chuva

lista Saiba o que abre e fecha em SP no ano novo

"É a primeira vez, no Brasil, que teremos algo assim", garante Marcelo Flores, diretor da empresa que organiza a festa na Paulista. "As pinturas serão transmitidas em telões no palco e o público poderá acompanhar ao vivo." A imagem é virtual: ao longo da noite, o artista escolhido poderá apagar e refazer as obras diversas vezes. A promessa ainda não se concretizou, porém, nos testes. A primeira checagem do equipamento, prevista para a tarde de ontem, não aconteceu - segundo a produção do evento, houve um atraso na montagem do equipamento.

Trazer a street art para a festa do réveillon paulistano, mais do que uma iniciativa de marketing, tem seus simbolismos. Nos últimos anos, São Paulo tem se tornado a capital brasileira - em alguns discursos mais ousados, a capital mundial - do grafite. Ainda que, contraditoriamente, sejam frequentes as vezes em que funcionários da própria Prefeitura apaguem obras de grafiteiros da cidade.

Turistas. Segundo a São Paulo Turismo (SPTuris), aumentou em 22% o número de visitantes na capital em dezembro deste ano, na comparação com 2009. Apenas para a noite da Virada são esperados 150 mil turistas, que podem deixar na cidade cerca de R$ 130 milhões. A celebração na Avenida Paulista, com shows e queima de fogos, ganhou fama. Somada à diversidade cultural, a capital se tornou um destino concorrido.

A colombiana Luz Marina Gómez, de 35 anos, por exemplo, que mora na cidade há três anos e cursa faculdade de Estatística, estará na noite de hoje com a família na avenida. Pais, irmão, tios e primos vieram de Medellín para celebrar a festa na Paulista com ela. "Tenho certeza de que vão adorar", diz Luz, que ontem à tarde levou a família ao Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Já o designer Tiago Castro, de 29 anos, e a professora de inglês Isadora Pellon, de 27, vieram do Rio. "Cansamos do ano-novo carioca. Queremos a festa, mas com opções culturais para os outros dias", diz Castro. O empresário baiano Hugo Oliveira, de 25, seguiu a dica de amigos que estiveram na cidade em 2009. "Eles elogiaram muito o réveillon da Paulista. E nenhum lugar supera São Paulo em comércio e cultura."

Mas nem tudo são elogios. Apaixonados pela capital paulista, o vendedor Ademilson Faroni, de 50 anos, e a professora Marilete, de 46, acharam o hotel 20% mais caro em relação a visitas anteriores. "E me decepcionei também com locais fechados, como o Museu do Ipiranga", diz. Para a irlandesa Ana Buchanan, de 34 anos, a dificuldade é a língua. "Ainda me sinto limitada para chegar aos lugares porque não consigo me comunicar. As pessoas não falam inglês." Mesmo assim, estava animada. "Espero uma festa do tamanho da metrópole."

Preparativos. Os turistas também aproveitavam para ver um movimento extra na avenida ontem. Técnicos e operários - mais de 4.500 pessoas foram contratadas para o espetáculo - faziam os últimos ajustes e preparativos no palco, de 800 m², que terá 25 metros de altura e telões de alta definição. Ao longo dos mais de 2 km da Paulista, outros 13 telões de alta definição transmitirão ao vivo cada detalhe do evento.

PROGRAMAÇÃO

Shows

Fábio Jr., Fiuk, Zezé di Camargo e Luciano e Capital Inicial, entre outros, participarão da festa, além da campeã do carnaval de São Paulo, a escola de samba Rosas de Ouro.

Fogos

A iluminação dos palcos virá com 1,2 milhão de watts de potência. À 0h, 5 milhões de confetes metalizados e uma queima de fogos com 100 mil tiros e 7 mil bombas multicoloridas - a organização garante que serão 15 minutos ininterruptos - servirão para recepcionar 2011.

Via web

Uma webcam já começou a transmitir imagens ao vivo da Paulista (http://www.cidadedesaopaulo.com/sp/).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.