Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Festa junina é evento-teste para novo parque vegano de São Paulo

Evento na Vila Mariana oferece iguarias como coxinha de jaca; Vegan Park abrirá em agosto com restaurantes, salão de beleza e até estúdio de tatuagem

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2017 | 17h38

SÃO PAULO - A Festa Junina Vegana ainda não teve apresentação de quadrilha, mas a frase “é mentira!” se encaixaria no local. No evento, comidas típicas desta época do ano ganham versões sem ingredientes de origem animal, como a carne louca, que se chama jaca louca e é recheada com uma mistura da fruta com temperos variados.

A assistente jurídica Naiara Pontinha, de 24 anos, garante que o resultado é tão bom quanto o original. “Quando soube, fiquei ‘surtada’. Chamei o meu namorado e mais um casal de amigos”, relata a jovem, vegetariana há seis meses.

Realizada de sexta-feira a domingo durante o mês de junho, a festa é o evento-teste do que será o primeiro parque vegano do Brasil, na Vila Mariana, zona sul de São Paulo. Segundo um dos sócios do empreendimento, Rama Jonas das Almas, de 42 anos, o Vegan Park deve reunir 30 contêineres em um terreno de 1,4 mil metros quadrados, organizados em dois andares, com terraço, mesas na rua, playground, área zen, estacionamento e bicicletário. A abertura está prevista para agosto, com funcionamento diário das 11 às 22 horas. 

O veganismo é um estilo de vida que abdica do consumo de produtos e serviços que envolvam animais em alguma etapa de sua cadeia produtiva. Segundo a Sociedade Brasileira de Vegetarianismo (SVB), um produto vegano não tem ingrediente de origem animal, tais como ovos, mel, lã e colágeno, e não é testado em bichos. Dentro dessa classificação também entram empreendimentos como zoológicos, aquários e fazendas.

Segundo Almas, o Vegan Park vai reunir 15 restaurantes e lanchonetes, além de salão de beleza, barbearia, estúdio de tatuagem, pet shop e lojas de roupas, produtos de higiene e cosméticos. Dentre as marcas confirmadas pelos organizadores estão as fabricantes de cosméticos Unevie e de lanches Vitale Integral. Além de comércio e prestação de serviços, o espaço promoverá palestras, feiras de adoção de animais, projeções de filmes e festas temáticas.

“Veganos serão bem-vindos, mas queremos atrair os não veganos. Muitos dos que vão aos nossos eventos são vegetarianos ou estão em processo de transição. Essas pessoas trazem amigos e familiares, que às vezes sequer cogitam adotar esse estilo de vida”, diz Almas, que, ao lado da sócia Gopi Priscila, de 37 anos, já realizou 33 eventos veganos à frente da produtora Vegnice.

Vegetariana há dez anos e vegana desde fevereiro, a professora de inglês Daniela Justino, de 32 anos, aprova a ideia. “Acho que vai ser uma referência. Assim como as pessoas vão em shopping atrás de um produto, eu posso ir lá procurar algo para mim ou para presentear.”

Festividades. Em sua quarta edição, a festa junina reuniu 10 mil frequentadores no primeiro fim de semana, segundo Almas. Embora seja temático, apenas uma parte das 40 barracas do evento comercializa produtos típicos desta época do ano, enquanto outras vendem pratos variados – de acarajé ao cachorro-quente – e produtos não alimentícios, como roupas. Tudo sem componente de origem animal ou testado em animais.

A bombeira Mariana Galhardo Santos, de 33 anos, foi à festa já na abertura, 2 de junho, acompanhada do noivo, que come carne. “Ele está acostumado. Queremos ir em todos os fins de semana para provar de tudo.” Vegetariana há 15 anos, ela relata dificuldade para encontrar produtos adequados ao seu estilo de vida em lojas convencionais. Ao ir à festa junina, por exemplo, comprou seis coxinhas de jaca para congelar uma parte em casa.

No vegetarianismo desde 2005, a estudante de Veterinária Vanessa Favoretto elogia a comida, mas reclama dos preços. “Estava um pouco caro. Acho compreensível porque é vegano e tem um trabalho diferenciado, mas acabei não comprando nada. Quando morei nos Estados Unidos era mais fácil de achar. Aqui é complicado, talvez pela nossa cultura ser muito ligada ao consumo de carne, mas já foi bem pior.”

FESTA JUNINA VEGANA

Data: até 2 de julho

Horário: sextas-feiras, das 18h às 22h, sábados, das 13h às 22h e domingos, das 13h às 20h

VEGAN PARK

Endereço: Rua Conselheiro Rodrigues Alves, 83 - Vila Mariana

Horário: das 11h às 22h

Previsão de abertura: agosto

Tudo o que sabemos sobre:
VeganismoVegetarianismoGastronomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.