Feira GLBT em São Paulo terá palestras e teatro de bonecos

Na 8ª edição do evento, que acontece nesta quinta, na República, haverá ainda shows de drag queens

Camilla Haddad, Jornal da Tarde

21 de maio de 2008 | 19h21

Lounge, shows com drag queens famosas, teatro de bonecos, palestras sobre erotismo e saúde e bandas de rock. Essas são algumas das atrações da 8ª Feira Cultural GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros), que será montada nesta quinta-feira, 22, na Praça da República, das 10 às 22 horas. O evento faz parte das comemorações do mês do orgulho gay.   Veja também: Organizadores reforçam tom político da Parada Gay em SP SP distribuirá 1,5 milhão de preservativos na Parada Gay GLBTema: O hino da Parada Gay  Parada Gay anima ilha do Vale do Anhangabaú no Second Life   A feira será apresentada pelo ator Carlos Fariello. Segundo a produtora do evento, a jornalista e guitarrista Laura Lerne, a novidade este ano será um palco montado no meio da praça, que vai receber drags anônimas para seus minutos de fama. "A idéia é que elas (drags) cheguem, se inscrevam e participem na hora, de improviso mesmo", disse Laura.   De acordo com a produtora, outro diferencial nesta edição da feira é uma performance baseada no tema da Parada Gay 2008: Homofobia Mata! Por um Estado Laico de Fato. "Grupos de teatro farão intervenções no meio público em todas as horas cheias. Será divertido."   Palestras   A feira ainda promete surpreender a população com uma série de palestras gratuitas sobre direitos dos homossexuais e dúvidas sobre sexo seguro - a maioria a partir das 13 horas. Uma das mais esperadas é a da drag Dindry Buck, que falará sobre preconceito sofrido pelos gays no emprego. A duração das palestras é de uma hora.   Outro ponto alto do evento é a entrega do "Prêmio Cidadania 2007 em Respeito à Diversidade". Entre os premiados está Penélope Nova, a apresentadora do Ponto P, antigo programa da MTV que tratava ao vivo sobre sexo.   Além da apresentadora, os representantes das paradas gay de Jerusalém e Moscou vão ser homenageados. É que as duas paradas têm em comum o fato de enfrentarem oposição por parte dos poderes públicos e líderes religiosos.   Lounge   Para os gays, lésbicas ou simpatizantes que pretendem descansar ou simplesmente conversar num clima de paquera, uma tenda de 200 metros quadrados vai abrigar um "lounge", onde haverá exposição de fotos sobre as outras edições da Parada Gay.   As pessoas ainda terão à disposição 53 tendas onde serão vendidos produtos de moda, design, editoriais, musicais e outros. No espaço foi montada uma praça de alimentação com 20 barracas.   Nas primeiras edições, a feira foi montada na Rua Vieira de Carvalho, na Praça da República. Em 2007, foi para o Vale do Anhangabaú. Neste ano, a feira voltou para a Vieira de Carvalho. "Queremos que o evento seja ainda mais atraente e divertido para o público, sem perder o foco de reivindicação", afirmou o presidente da Associação da Parada do Orgulho Gay, Alexandre Santos, o Xande.

Tudo o que sabemos sobre:
Parada GayGLBTFeira GLBT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.