Feira celebra 100 anos da Pompeia de SP

Evento, com shows, artesanato e culinária, marcou comemoração do bairro da zona oeste

Ligia Tuon, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2010 | 00h00

"Tudo por aqui tá dentro da ideia. E bate palmas, cem anos da Pompeia!" Esse é o refrão do rock feito para homenagear o centenário do bairro, celebrado ontem durante a 23.ª edição da tradicional Feira de Artes da Vila Pompeia, que ocorre em todo terceiro domingo de maio.

Anualmente, o evento reúne bandas e artistas de diversos estilos para apresentar seus trabalhos em sete palcos espalhados ao redor de 12 quarteirões ocupados pela feira.

No meio disso tudo, barraquinhas se misturavam aos visitantes: artesanato, roupas, além de comida baiana, japonesa e até mexicana.

A funcionária pública Soraya Preloz mora na vila e levou sua família para prestigiar o centenário da Pompeia. "Venho aqui desde que minha filha, que hoje está com 11 anos, andava no carrinho. Adoro, mas acho que (o evento) é pouco divulgado."

De acordo com Marcos Moreira, um dos organizadores, a divulgação da feira foi maior neste ano e as atrações homenagearam pessoas antigas do bairro. "Moradores como a dona Maria Saladino Giorni, que completará 100 anos e mora aqui há 85, e o casal Manoel Ferreira e Ruth Araújo, que também mora aqui e já compôs mais de 200 músicas, como A Pipa do Vovô, mereceram ser lembrados", conta Moreira.

Mais festas. A organização esperava receber 100 mil pessoas no evento e já anunciou que neste ano serão feitas mais festas pelo centenário. Os interessados podem conferir a programação no site centroculturalpompeia.blogspot.com.

PARA LEMBRAR

Bairro abrigou operários

Uma das regiões de maior valorização imobiliária de São Paulo, a Vila Pompeia surgiu em 1910 como tantos outros bairros, a partir do loteamento de uma gleba promovido por Rodolpho Miranda, da Companhia Urbana e Predial. O nome era uma homenagem à mulher do loteador, Aretusa Pompeia. Operários de fábricas como as das Indústrias Matarazzo e da Santa Marina estavam entre os primeiros moradores do bairro da zona oeste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.