Renata Jubran/AE
Renata Jubran/AE

'Fechar o shopping foi uma irresponsabilidade'

A empresária Yara Baumgart, mulher de um dos principais acionistas do shopping Center Norte, Roberto Baumgart ("ainda não nos divorciamos no papel"), disse ontem ao Estado que a notícia do perigo de explosão do centro comercial só cresceu "tanto" porque a família rompeu o contrato com a Tecnohidro, empresa indicada pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) para resolver o problema de mitigação de gases no local, e chamou outra, a multinacional Environ, de escolha própria: "Eles se sentiram preteridos e fizeram crescer a história da explosão", diz Yara.

Entrevista com

PAULO SAMPAIO, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2011 | 03h03

Segundo ela, durante dois anos a Tecnohidro os "enrolou" e, agora, viu que "não dava para voltar atrás". Yara, que tem quatro filhos acionistas (três dos quais trabalhando no shopping), conta que conversou na manhã de ontem com Roberto e ele disse que "está tudo sob controle". "Mas ele e meus filhos se sentiram injuriados com a irresponsabilidade cometida pela Prefeitura." Abaixo, trechos da entrevista com a empresária.

Como a família recebeu a notícia da interdição do shopping?

Essa história rola há mais de dois anos, nós sabíamos do problema. Na ocasião, contratamos uma empresa (Tecnohidro), indicada pela própria Cetesb para fazer o que era preciso. Acontece que essa empresa nos enrolou durante todo esse tempo. Há algumas semanas, providenciamos outra, uma multinacional chamada Environ, muito mais eficiente. Tanto que vai resolver em dez dias o que disse que faria em 20.

Mas antes desses dois anos já não havia perigo de explosão?

Não existe perigo de explosão, conversei longamente com meu marido hoje de manhã. Os gases estão no subsolo de toda aquela região, da rodoviária, do metrô, do Cingapura - tudo aquilo era um lixão. E esse gás não cheira, imagina, isso é historinha criada...O Center Norte é todo térreo, tem uma arquitetura americana diferente da dos outros, justamente para facilitar a exaustão dos gases. Agora, se temos de fazer adaptações, sem problemas, faremos.

E os funcionários?

O zumzum cresce, vai aumentando, aumentando. Então, vem a funcionária do shopping dizendo que sentiu cheiro de gás e não pode trabalhar. Não há a menor chance de sair gás dali. Infelizmente, os funcionários são levados a repetir isso, são crendices que se inventa. E a imprensa parece estar sem assunto. Então, ou é a crise na Grécia, ou o shopping.

A notícia do risco de explosão fez cair vendas no shopping...

Uma irresponsabilidade. Meu marido e meus filhos se sentiram muito injustiçados. Somos o único shopping a pagar impostos em dia. Pode procurar, estamos com nossas declarações sempre corretas.

E por que, na sua opinião, fecharam o shopping?

Você já ouviu falar em política? Em mutreta? Agora, será que o nosso querido prefeito (Gilberto Kassab) não vê que o shopping emprega 6 mil pessoas, quase uma cidade? Não é nem falta de respeito com o próximo, mas com o ser humano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.