Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Febre afasta turista de áreas de mata no interior paulista

Em Mairiporã, onde 28 pessoas morreram e ainda há casos em investigação, a queda no turismo chegou a 50%; o prefeito da cidade fez um apelo aos turistas para que 'tomem a vacina e voltem a visitar a cidade'

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2018 | 04h00

SOROCABA - Além do avanço do carnaval de rua, outro elemento que afetou a saída do paulistano foi o aumento nos casos de febre amarela, que afastou os turistas das regiões de matas do interior de São Paulo.

Destinos badalados, como os hotéis-fazenda, pousadas e resorts das regiões de Atibaia, Bragança Paulista e São Roque, por exemplo, passaram a ser menos procurados pelos visitantes depois do registro da morte de macacos pelo vírus e casos da doença em humanos.

Em Mairiporã, na Grande São Paulo, onde 28 pessoas já morreram e ainda há casos em investigação, a queda no turismo chegou a 50% e o prefeito Antonio Ayacida (PSDB) chegou a fazer um apelo aos turistas nas redes sociais para que "tomem a vacina e voltem a visitar a cidade".

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis São Paulo (Abih-SP), Bruno Hided Omori, fala em "queda pontual" e destaca que - ao contrário do que ocorreu com a zika - pelo menos o fluxo internacional não foi afetado. "Com a febre amarela há vacinação disponível na maioria dos países." Mas lamenta que o imunizante não tenha sido oferecido mais rapidamente para toda a população.

E a perda de hóspedes não se limita ao Estado de São Paulo. A morte de uma pessoa com o vírus, no dia 10, em Ilha Grande, Angra dos Reis (no Rio), também afastou os turistas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.