FEA: do pós-guerra à modernização da gestão pública e aos índices econômicos

Criada em 1946, a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP nasceu no pós-guerra, momento de expansão da industrialização e do sistema financeiro e bancário brasileiro, respondendo à crescente demanda por pesquisas, dados e orientação técnica ao empresariado público e privado, necessários à estruturação do desenvolvimento do Brasil. Desde então, o debate de ideias e a pluralidade de opiniões tornaram-se seu principal diferencial.

ADALBERTO FISCHMANN, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2014 | 02h07

Vários ex-alunos e professores da FEA-USP têm ocupado os mais altos postos executivos da administração pública, sobretudo nos governos federal, paulista e paulistano, colaborando para o avanço do País.

Entre as muitas contribuições, o desenvolvimento de índices econômicos pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), entidade de apoio à faculdade, está entre as mais visíveis. Destacam-se o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), o Índice de Preços de Obras Públicas (Ipop), o Preço Médio de Veículos e o Índice Fipe-Zap, de preços de imóveis anunciados.

Pesquisadores da FEA-USP desenvolvem ferramentas para solução de problemas de planejamento e análises de impactos socioeconômicos para priorização de projetos de infraestrutura e construção de políticas públicas. Na área de transportes, colaboram com o Plano Nacional de Logística e Transportes, do Ministério dos Transportes, e planos estratégicos dos Estados de Bahia, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Pará.

Na Administração, projetos da FEA-USP deram origem a órgãos e instituições que, direta ou indiretamente, criaram políticas públicas em várias áreas. Entre elas, a Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (Anpad), a Associação Nacional dos Cursos de Graduação de Administração (Angrad), a Associação Nacional de P&D das Empresas Inovadoras (Anpei) e a Associación Latino-Ibero Americana de Gestión Tecnológica (Altec).

Estudos da faculdade levaram a Administração a novo patamar. Contribuindo para conhecimentos teóricos inovadores, temas como Gestão da Inovação Tecnológica e Ecologia de Empresas foram desenvolvidos. Pesquisadores têm feito trabalhos primordiais em Finanças, com uso de técnicas estatísticas para analisar decisões de financiamento das empresas, Marketing, com o desenvolvimento do Modelo de Estratificação Socioeconômica e de Consumo da Sociedade Brasileira, além de Gestão de Pessoas, Empreendedorismo, Sustentabilidade, Terceiro Setor e Sistemas Agroindustriais.

A FEA-USP contribui para a elaboração de políticas e modernização da gestão pública no Brasil. Desde 1996, o Movimento em Prol do Gerenciamento de Projetos desenvolve atividades para diversas secretarias, Estados e ministérios, nas áreas de compras e contratações públicas. Também cria sistemas e metodologias, como a de Apoio ao Gerenciamento de Projetos Públicos, a de Gestão Ambiental, que deu origem ao Sistema Integrado de Gestão Ambiental para a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, e o Sistema de Gerenciamento de Portfólio, que gerou proposta pioneira sobre concessão urbanística, presente no Plano Diretor de São Paulo.

A FEA-USP ainda é líder no ensino e na pesquisa em Contabilidade e Atuária no Brasil. A concepção e a criação de materiais, cursos e métodos didáticos inovadores, que tornem o ensino mais atrativo aos alunos e as ideias do corpo docente mais conhecidas, têm sido sua marca. O livro Contabilidade Introdutória, por exemplo, criou linguagem comum em todo o País.

O impacto dessa forma de compreender a Contabilidade expandiu-se a outras universidades e consagrou a FEA-USP como escola de pensadores e propositores de novas teorias. Esses pesquisadores criaram conceitos que têm contribuído sistematicamente para a criação de políticas e regulação do ambiente de negócios no Brasil.

ADALBERTO FISCHMANN É DIRETOR DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Tudo o que sabemos sobre:
USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.